Início Destaques Defesa de Dilma Rousseff vai ao STF pedir anulação do impeachment

Defesa de Dilma Rousseff vai ao STF pedir anulação do impeachment

A defesa da presidente afastada Dilma Rousseff protocolou nesta segunda-feira (15) um novo recurso para tentar anular o processo de impeachment. Encabeçados pelo ex-ministro José Eduardo Cardozo, os advogados de Dilma, que já tentaram a anulação do processo em outras oportunidades, questionam a sessão de pronúncia, realizada na semana passada, quando os senadores decidiram torná-la ré por crime de responsabilidade.

O argumento jurídico utilizado é de que as questões preliminares apresentadas pela defesa deveriam ter sido apreciadas separadamente, em respeito às regras do Códio de Processo Penal, e não globalmente, como permite o Regimento Interno do Senado – onde o processo começará a ser decidido no próximo dia 25 e, segundo o cronograma definido, pode durar até cinco dias.

O recurso será analisado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, responsável pela condução desta última fase do processo de impeachment. Segundo rito definido pelo próprio STF, coube a Lewandowski conduzir as duas derradeiras sessões de plenário.

TESTEMUNHAS

Outro entrave na terceira e última etapa do impeachment é quanto ao número e ao nome das testemunhas. Enquanto a acusação abriu mão do direito de escolher seis depoentes, a defesa segue firme no número máximo de indicados. O objetivo da acusação é “otimizar o processo”.

Os autores do processo de impeachment tentam também a impugnação de duas das seis testemunhas indicadas pela defesa, o do professor de direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Geraldo Prado, e o do economista Luiz Gonzaga de Mello Belluzzo. Segundo Janaína Paschoal, ambos não possuem relação com os fatos.

CARTA

Nesta terça-feira, logo mais às 16h, no Palácio da Alvorada, a presidente afastada Dilma Rousseff apresentará uma carta à Nação e aos senadores. Como o Congresso em Focoadiantou na semana passada, a petista vai usar o termo “golpe” e denunciar o boicote que sofreu dos deputados e senadores, principalmente do PMDB, e do presidente interino Michel Temer quando ainda era chefe do poder Executivo.(

(Congresso em Foco)


Leia também

Alckmin se comporta como santo ao falar de Aécio

He he he… Quem não riu ao ler a declaração de Geraldo Alckmin sobre Aécio Neves se tornar …