Início Artigos Teori inclui Lula nas investigações da Lava Jato, num processo em que a forma prenuncia o resultado

Teori inclui Lula nas investigações da Lava Jato, num processo em que a forma prenuncia o resultado

Fernando Brito – Tijolaço


O ministro Teori Zavascki atendeu o pedido de Rodrigo Janot e incluiu o ex-presidente Lula na investigação da Lava jato.

Que, aliás, segue o perigosíssimo caminho de investigar “núcleos” e não crimes determinados.

O que leva a investigar pessoas, mais do que fatos.

Daí para o “domínio do fato” é um pulo, porque a lógica é que há uma organização criminosa e não apenas pessoas praticando crimes, sós ou em associação permanente com outras.

Aliás, núcleos, por definição, pedem um centro…

Curioso é que esta lógica não é seguida – e não deve mesmo ser – em outros casos.

Rouba-se no Metrô de São Paulo. Rouba-se na Fepasa. Rouba-se na Cesp. Rouba-se em outras estatais paulistas.

Logo, segundo esta lógica, há um núcleo roubando.

E um núcleo, claro, deve ter um centro.

Mas não é assim que se faz.

Não se tem notícias de que o governador e o ex-governador estejam sendo investigados, porque são tratados como eventos separados.

Não vale o argumento de que todos os dirigentes destas empresas foram e são nomeados por eles.

E é correto, enquanto não se tem indícios fortes de que eles ordenaram ou participaram dos atos de corrupção.

Agora, não: há um objetivo no qual tudo vai sendo encaixado. “Dá-se um jeito de caber”, como ironiza o ex-procurador Eugenio Aragão.

Em lugar da culpa, deve-se provar – e cabalmente – a inocência, mesmo que não se possa provar intenções.

Se Lula não for condenado por navio-sonda, será por pedalinho; se não puder ser por refinaria, será por apartamento; se não “colar” o gasoduto, serve o sítio, se não tiver propina, servem os caixotes do acervo presidencial, segundo o MP guardados num galpão pago com propinas pagas por obras bilionárias de duas refinarias, que ridículo…

Os ministros do Supremo Tribunal Federal – e ação ou omissão, no caso deles no es lo mismo, pero es igual –  já decidiram, tanto quanto o Procurador Geral,  que se lhes exige condenar Lula e, provavelmente, Dilma.

Os dois que, aliás, indicaram a quase todos eles para os cargos que ocupam.

Talvez, quem sabe, seja uma “autocrítica”.


Leia também

Alckmin se comporta como santo ao falar de Aécio

He he he… Quem não riu ao ler a declaração de Geraldo Alckmin sobre Aécio Neves se tornar …