Tenente-coronel Henrique Motta, que ironizou manifestante cega, é preservado pela PM-SP

O tenente-coronel da Polícia Militar Henrique Motta foi afastado do comando do policiamento nas manifestações em São Paulo, informou nesta quinta-feira (8) o secretário de Segurança Pública do estado, Mágino Alves Barbosa Filho.

Na semana passada, Motta compartilhou em sua página no Facebook uma publicação que une um suposto tweet de Deborah Fabri, que teve olho esquerdo perfurado por bomba da PM em protesto em São Paulo, dizendo ser favorável a depredações com objetivos, com o post em que ela comunica que perdeu a visão. Na montagem, há o texto: “Quem planta rabanete, colhe rabanete”.




“Para preservar o oficial e a ordem pública, ele vai deixar de fazer o comando nas manifestações”, afirmou o secretário. Motta continua como coronel da PM mas não atuará nos protestos na capital. Para Mágino Alves, o oficial fez um comentário nas redes sociais “como pessoa física. “Eu não concordo com o comentário, mas garanto que não é uma posição institucional da Polícia Militar”, afirmou o secretário.

O secretário disse que a conduta do tenente-coronel “não é uma infração” e acredita que não vá influenciar a tropa.

Além de Motta, a SSP afastou de manifestações dois policiais que atropelaram um manifestante na Rua João Adolfo, no Centro de São Paulo, durante protestos no dia 1º. “Estamos apurando a conduta deles no âmbito da polícia militar.”

‘SOCIALISTA DE IPHONE’

A publicação compartilhada pelo coronel é da página “socialista de iphone” e traz a montagem com o suposto tweet de Deborah de novembro de 2015 que diz: “Cara, eu sou a favor de qualquer ato de qualquer destruição em protesto de cunho político que tenha objetivos sólidos!”.

O outro post é de um do dia 1º de setembro, um dia depois do protesto do dia 31, em que ficou ferida: “Oi pessoal estou saindo do hospital agora. Sofri uma lesão e perdi a visão do olho esquerdo mas estou bem. Obrigada pelas mensagens e apoio logo logo respondo todos!!!”.

Para comentar a publicação, o coronel usou um texto que diz ser do padre Fábio de Melo: “As escolhas que você procura (…) tudo será determinante para a colheita futura”.

Após as críticas da publicação sobre plantar e colher rabanete, o coronel mudou a foto do seu perfil no Facebook. Insistindo na temática da colheita, ele colocou uma imagem que diz: “Quem quiser boa colheita, a melhor receita é ser bom plantador”.

A Polícia Militar disse que “respeita a liberdade de expressão e o direito de opinião, desde que não configure crime. Isso vale também para os seus integrantes”. Segundo a nota enviada, “não há indícios de que as suas opiniões tenham em algum momento interferido em seu trabalho técnico, que tem se mostrado isento e imparcial”.

A nota ainda diz que “O fato de ter e de expressar uma opinião política não implica em ações parciais, tanto é que inúmeros jornalistas, por exemplo, manifestam nas redes sociais posicionamentos políticos, mas não deixam de exercer suas funções nos respectivos veículos de comunicação”.

ESTUDANTE TEVE OLHO PERFURADO

A manifestante Deborah Fabri, 19 anos, ferida por bomba da Polícia Militar na manifestação contra o governo Michel Temer na noite do dia 31 no Centro de São Paulo, disse que perdeu a visão do olho esquerdo.

O Hospital de Olhos informou em boletim médico que a paciente “foi internada em nosso serviço às 2h37 do dia 1º de setembro de 2016, com trauma na região da face, escoriações nas pálpebras e região malar esquerda, e lesão perfuro contusa no olho esquerdo”. Deborah passou por cirurgia de urgência. O hopital também disse que “por ser tratar de um procedimento de alta complexidade oftalmológica, o prognóstico requer cuidados especiais”.

O Doutor William Fidelix, diretor operacional do hospital, explicou ao G1 que “pela extensão das lesões, o prognóstico visual é bastente reservado, bem grave. As chances são pequenas para recuperação da visão”.

(G1)