Temer entra para a História ao ser o primeiro presidente (sic) a não ser anunciado em abertura de Olimpíadas

Pela primeira vez nos Jogos Olímpicos, o presidente do país sede não foi anunciado na cerimônia de abertura. Mas foi o que aconteceu no caso do interino Michel Temer, que, para evitar as vaias previstas, pediu para que não falassem seu nome.

Antes da cerimônia, o grupo Brasil Sem Corrupção planejava o “maior escracho da história”. O plano era gritar “fora, Temer” em três momentos: após o Hino Nacional, durante e após o pronunciamento do presidente interino e depois da participação da cantora Elza Soares.

Mais cedo, manifestantes protestaram na Praça Sans Peña, na Tijuca, zona norte do Rio, próximo ao Maracanã. Pelo menos uma pessoa foi presa. Às 18h, manifestantes pegara uma bandeira do Brasil na Praça Afonso Pena e atearam fogo. A PM”não divulga estimativa de público em eventos”.

As forças de segurança dos Jogos Olímpicos do Rio identificaram o planejamento de pelo menos sete atos contra o governo interino de Michel Temer na abertura da Olimpíada. Foi com base em monitoramento de redes sociais que os investigadores calculam quase 15 mil pessoas envolvidas nos protestos.

“O protesto tem como objetivo denunciar o governo ilegítimo do País, o risco aos direitos sociais com as propostas levadas a cabo pelo governo Temer e a calamidade olímpica”, afirmou Guilherme Boulos, líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto).

(Brasileiros)