Soldado iraquiano e tradutor do Exército dos EUA se apaixonaram durante a guerra no Iraque

Diogo Bercito – Entre as notícias da crescente violência no Iraque e as imagens de atentados terroristas em Bagdá, a rede britânica BBC publicou hoje uma história alentadora: o relato de como Nayyef Hrebid, tradutor do Exército americano, apaixonou-se pelo soldado iraquiano Btoo Allami.

Hrebid e Allami se conheceram em 2003 durante os embates subsequentes à invasão americana do Iraque. Eles participaram das ofensivas contra insurgentes em Ramadi. “Eu tinha essa sensação estranha de que estava buscando ele”, disse Allami sobre o dia em que viu Hrebid. “Meus sentimentos cresceram com o tempo e eu sabia que queria falar com ele.”

Ambos puderam conhecer-se melhor durante uma operação no principal hospital da cidade. Eles começaram a compartilhar refeições e trocaram declarações de amor em um estacionamento, entre os veículos militares americanos estacionados. A relação lhes ajudou a viver os duros anos de tensão sectária, em um país onde homossexuais são perseguidos inclusive por agências do governo.




O tradutor e o soldado tiveram que esquivar-se do preconceito de colegas, amigos e familiares. Eles sobreviveram também aos deslocamentos dentro dos dois Exércitos. O casal precisou lidar, ademais, com a distância — em 2009, Hrebid pediu asilo nos EUA, mas não conseguiu estender a permissão a seu namorado.

Iniciou-se, segundo a BBC, uma longa luta até que Allami pudesse deixar o Iraque e mudar-se ao Líbano e então ao Canadá. Eles se casaram ali e, em 2014, a migração de Allami aos EUA foi finalmente aprovada. Quando soube da decisão, conta: “Cobri minha boca com a mão para não gritar. Saímos e eu estava chorando e tremendo. Não conseguia acreditar que estava finalmente acontecendo.”

O casal vive hoje em Seattle e foi tema de um documentário chamado “Out of Iraq”, exibido em um festival de cinema em Los Angeles no ano passado.

Assista ao trailler do documentário na Folha de São Paulo