Serra nomeou PM envolvido no massacre do Carandiru no mês passado

O ministro das Relações Exteriores do governo interino de Michel Temer (PMDB), José Serra (PSDB), nomeou no dia 4 de agosto um dos policiais militares envolvidos no Massacre do Carandiru, em 1992, para exercer cago no Itamaraty.

Hideo Augusto Dendini assumiu um dos cargos mais altos da pasta, denominado DAS 5, de assessor especial, em caráter transitório, para atuar em Brasília.




Dendini sentou no banco dos réus pela morte de 111 presos no dia 2 de outubro de 1992, quando uma rebelião no Pavilhão 9 do Complexo do Carandiru acabou com a invasão da PM do Estado de São Paulo. Ele fora absolvido. Contudo, o Estado foi condenado a indenizar filhos de um dos mortos no Massacre.

Na época, o agora funcionário do Itamaraty era 1º tenente. Em 24 de maio de 2004, Dendini recebeu promoção para capitão da PM paulista, já comandada pelo atual governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Anteriormente, Dendini exercia funções no gabinete pessoal de Serra no Senado Federal – hoje ministro de Temer, o tucano foi eleito como senador por São Paulo, em 2014, para um mandato de oito anos. Assistente parlamentar sênior, o ex-policial tinha vencimentos de R$ 14.184,25 na Casa. Em consulta feita no site da transparência do governo do Estado de São Paulo, é possível ver que Dendini recebe, atualmente, como aposentado, R$ 14.295,61 líquido.

Todos os envolvidos na nomeação do ex-PM Dendini foram procurados pela reportagem, mas nenhum respondeu aos contato realizados.

Leia mais no Ponte Jornalismo.