Renato Terra: Sobe popularidade do pênis de Temer

Pesquisa realizada pelo Instituto Alexandre Frota revelou que a popularidade do pênis de Michel Temer superou a do próprio presidente.

“Todo dia acompanhamos a resiliência da bingola presidencial nos jornais. Algumas vezes, o drama vem com infográficos. Como se trata de problema de saúde, a população acabou amolecendo”, explicou Frota.




Analistas políticos lembram que o membro presidencial não fica em evidência com tanta volúpia desde que Fernando Collor declarou ter “aquilo roxo”. “Não podemos descartar o calor libertino despertado pelo bigode de Sarney. Mas eram tempos em que os jovens eram mais reprimidos sexualmente”, lembrou Luiz Felipe Pondé.

Segundo o médico urologista Miguel Srougi, que trata o presidente, Temer possui um organismo sui generis. “Seus órgãos vivem em constante negociação interna. Para produzir suco gástrico diariamente, por exemplo, seu estômago exigiu dois cargos comissionados no intestino delgado. Agora, o presidente teve a uretra obstruída por barricadas colocadas por enzimas insatisfeitas com a Reforma Urinária. Batizamos seu comportamento de fisiologia fisiológica”, explicou Srougi, que já havia operado Michel Temer em 2016 para a retirada de uma mesóclise que comprometia o funcionamento de seu rim esquerdo.

Animado com a recuperação do chefe, Elsinho Mouco, o marqueteiro do governo, tentou convencer Michel Temer a aproveitar a alta popularidade e expôr sua genitália em nova campanha de comunicação pela aprovação da Reforma da Previdência. “Um pinto que continua trabalhando, não se aposentou”, seria o mote da campanha.

Manifestantes inflaram um pingolim amarelo em frente à Fiesp para demonstrar apoio ao bilau do presidente. Foi batizado de Pichuleta. Romero Britto presenteou Temer com ilustração colorida de sua pimboca.

No final da tarde, o PMDB negou os rumores de que o falo presidencial sairá candidato em 2018. Há quem diga que o veto tenha vindo de Sarney. A oposição, no entanto, já iniciou a campanha “Fora Pênis”.

GUERRA FRÍGIDA

Em novo e determinante capítulo da troca de ofensas ginasiais com Donald Trump, o ditador norte-coreano Kim Jong-un deu mais um passo importante: conseguiu enviar um tuíte capaz de atingir os Estados Unidos.

Renato Terra, em sua coluna na Folha de São Paulo.