Professores da rede particular também vão aderir à greve geral, na sexta-feira

Professores da rede particular de ensino decidiram paralisar suas atividades na próxima sexta(28), data marcada para uma greve geral convocada por sindicatos e outros movimentos sociais contra as reformas da Previdência e das leis trabalhistas.

O Sindicato dos Professores de São Paulo (Sinpro-SP) declarou nesta quinta (20) que a categoria vai parar no dia 28. Sindicatos da rede particular do Rio de Janeiro e de Campinas (SP) também pretendem aderir ao movimento.




Na capital paulista, levantamento preliminar do sindicato, que representa 50 mil profissionais do ensino infantil ao superior particular, prevê a paralisação de ao menos cem escolas na cidade. Para aumentar esse número, a organização pretende percorrer colégios com quatro carros de som a partir da segunda (24).

Ainda não há uma lista indicando quais escolas vão suspender aulas nesse dia, diz Walter Alves, secretário-geral do Sinpro-SP. Na Escola Viva, professores divulgaram uma carta em que afirmam ter aderido à greve.

É a segunda vez que professores da rede privada participam de protestos contra as propostas do governo.

Nas manifestações de 31 de março, docentes dos colégios Santa Cruz, Oswald de Andrade, Equipe, Escola da Vila, Escola Viva, Ofélia Fonseca e Nossa Senhora das Graças, entre outros, deram aulas vestidos de preto, com números colados às suas roupas, indicando a idade com que poderiam se aposentar caso a reforma seja aprovada.

Desde então, o governo desistiu de incluir professores na regra geral para aposentadoria, mantendo o direito de conseguirem o benefício mais cedo do que é exigido dos demais trabalhadores.

“O governo tem assinalado alguns recuos na reforma da Previdência, mas isso não significa que nós não vamos continuar na luta contra esse projeto. Ele pode até ter sido amenizado para os professores, mas para o conjunto dos trabalhadores essa proposta não interessa”, afirma Walter Alves, do Sinpro-SP.

Professores da rede pública também deverão parar no dia da greve. Além de se opor às reformas, eles pedem reajuste salarial e criticam as mudanças no ensino médio.

Leia mais na Folha de São Paulo.