Processo do Mensalão Tucano é paralisado novamente pela justiça de MG

A Justiça em Minas suspendeu por 60 dias o andamento do processo do empresário Marcos Valério Fernandes no mensalão tucano. De acordo com a assessoria do Fórum Lafayette, a solicitação foi feito pela defesa do réu, que alegou que um pedido de delação premiada está em análise no Ministério Público. A decisão da juíza Melissa Pinheiro Costa Lage Giovanardi, da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte, é do último dia 30 de junho.

A Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público aguarda um posicionamento do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a respeito do pedido de delação premiada de Valério. De acordo com o promotor de Justiça Leonardo Barbabela, o ofício foi enviado ao procurador-geral, pois a delação envolve “agentes públicos com foro privilegiado”. O G1 procurou o advogado Jean Robert Kobayashi, que defende Valério no pedido de delação, mas ele não foi encontrado nesta manhã para falar sobre o assunto.

Segundo o Fórum Lafayette, os outros cinco processos do mensalão tucano que tramitam na Justiça mineira continuam com o andamento normal. O promotor João Medeiros disse que não foi informado sobre a decisão de suspensão, mas que “essencialmente não muda muita coisa”. O interrogatório de Valério, que seria no dia 1º de julho, já havia sido adiado por causa da análise do pedido de delação.

No último dia 21 de junho, Valério, condenado no mensalão do PT e réu no mensalão tucano, foi ouvido na Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público, em Belo Horizonte. Na ocasião, Kobayashi falou que o depoimento havia sido sobre o pedido de delação premiada, feito ao MP no dia 16 de junho.

Como contrapartida à delação, o advogado disse que pediu a transferência do empresário para a Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (APAC) de Santa Luzia e a redução da pena em processos que tramitam em Minas. Atualmente, Marcos Valério está preso na Penitenciaria Nelson Hungria, em Contagem.

Valério, condenado a 37 anos de cadeia no mensalão do PT, está preso desde 2013 em regime fechado. Ele já havia proposto delação premiada para a Procuradoria-Geral da República em relação ao mensalão do PT. À época, o julgamento do mensalão estava em curso.

Atualmente, Marcos Valério responde ao processo do mensalão tucano, que corre na primeira instância da Justiça de Minas. De acordo com a denúncia, o esquema teria desviado recursos para a campanha eleitoral de Eduardo Azeredo (PSDB), que concorria à reeleição ao governo do estado, em 1998. O tucano foi condenado em 1ª instância e recorre da decisão.

O empresário também é réu em processo da Operação Lava Jato, que investiga um esquema de desvio e lavagem de dinheiro envolvendo a Petrobras A Justiça aceitou a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF) pelo crime de lavagem de dinheiro.

G1