Presidente-executivo do Whatsapp: “estão pedindo informações que não temos”

O presidente-executivo do WhatsApp, Jan Koum, usou sua conta no Facebook para criticar o novo bloqueio do aplicativo no Brasil. Ele classificou a ação de “chocante” e afirmou que não tem as informações pedidas pela Justiça.

A juíza Daniela Barbosa, da comarca de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, determinou o bloqueio nesta terça-feira (19) por tempo indeterminado, após a empresa não fornecer informações para uma investigação policial. O ministro Ricardo Lewandowski, do STF, suspendeu a decisão cerca de quatro horas depois.

Koum afirmou que trabalhava para fazer o aplicativo funcionar novamente no Brasil. “É chocante que menos de dois meses após a população e legisladores rejeitarem claramente o bloqueio de serviços como WhatsApp, a história se repete”, escreveu em seu perfil no Facebook.

“Como antes, milhões de pessoas estão separadas de seus amigos, famílias, clientes e colegas hoje, simplesmente porque estão pedindo informações que não temos.”

A empresa entrou com um recurso na Justiça do Rio para suspender o bloqueio.

Esta é a quarta vez que um tribunal decide pela suspensão do acesso ao aplicativo no Brasil. Diferentemente das outras decisões, não há um prazo definido para o retorno do serviço assim que ele for bloqueado.

G1