Prefeito eleito no interior de SP é acusado de ter pago cabos eleitorais com verbas de merendas

Promotor de justiça, Nelson Bugalho (PTB) da coligação Avança Prudente, que teve o apoio do governador Geraldo Alckmin, é acusado de utilizar as dependências e verbas do Setor de Alimentação Escolar da Prefeitura para alimentar cabos eleitorais e funcionários públicos que trabalharam na campanha política.




Uma das chapas adversárias pede a cassação dos registros de candidatura dos candidatos que disputaram a eleição, além de julgamento de inelegibilidade do atual prefeito. Ela ainda relata que seus clientes, o terceiro colocado no pleito, Agripino de Oliveira Lima Filho (PMDB), e seu vice, Carlos Frederico Machado Dias, teriam recebido, por uma caixa de Correios, “documentos que, em tese, contêm indícios gravíssimos de crimes eleitorais”. Tais provas seriam “imagens impressas” de “canhotos de autorização para pessoas almoçarem no Setor de Alimentação Escolar”, sendo para 51 servidores, no dia 16 de setembro, 58 no dia 20 e 52 no dia 28.

“Juntamente aos canhotos há diversos ‘santinhos’ dos candidatos Nelson Bugalho e Valtinho, que ocupava justamente o cargo de coordenador de gestão de alimentação escolar”, expõe. “Há desvio de alimentos que são destinados à alimentação escolar para alimentar cabos eleitorais e funcionários que trabalham na campanha, num nítido desvio de finalidades”, afirma.

O processo pode ser acompanhado aqui.

Com informações do Jornal Imparcial.