Por amor a Temer, membros do MBL se infiltram em manifestações pró-democracia

Democratize – Não é novidade que o Movimento Brasil Livre tente “desligitimar” as manifestações contra o presidente Michel Temer, para o qual eles praticam lobby político nas redes sociais. Porém, na manifestação desta quarta-feira (7) no Rio de Janeiro, cerca de três integrantes do grupo causaram a prisão de um manifestante.

Tudo ia bem em mais uma manifestação contra o presidente Michel Temer nesta quarta-feira (7), no Rio de Janeiro. Cerca de 5 mil pessoas marchavam em direção ao Museu do Amanhã, convocadas pelo Grito dos Excluídos e por manifestantes pelo ‘Fora Temer’.

Porém, com o simples objetivo de causar danos para o ato e para toda a mobilização, cerca de três integrantes do Movimento Brasil Livre acabaram se infiltrando no grupo.




Não é de hoje que o MBL, um dos principais movimentos de direita anti-Dilma, tem praticado ações similares contra mobilizações de esquerda nas ruas.

No começo de 2016, membros do grupo chegaram a comparecer em atos convocados pelo Movimento Passe Livre em São Paulo, gravando vídeos com o objetivo de distorcer as manifestações, além de propagar factóides para “evitar” que seu público acabe aderindo aos protestos.

A mesma tática foi repetida nas manifestações contra o presidente Michel Temer, que desde a semana passada tem mobilizado milhares de pessoas ao redor do país. Desta vez, um integrante do grupo questiona alguns manifestantes sobre temas políticos, com a intenção de deslegitimar a causa da manifestação baseada em opiniões pessoais de poucos individuos, além de tocar sempre na questão do “vandalismo”, que tem como potencial espantar o seu público de qualquer protesto anti-Temer.

Desde que Michel Temer assumiu de forma interina a presidência da República, o MBL tem praticado “lobby político” nas redes sociais em defesa do mandato do novo presidente, que prometeu tomar medidas mais “liberais” em relação a econômia, principalmente na questão de privatização das estatais e corte de gastos em programas sociais.

Por isso, a necessidade de deslegitimar as manifestações da esquerda, para enfraquecer o movimento ‘Fora Temer’, garantindo que seu público mais “despolitizado” não acabe aderindo aos novos protestos.

No Rio de Janeiro, a situação foi um pouco pior.

Veja o relato do fotógrafo Rapha Silva, da Agência Democratize no Rio, que flagrou o momento:

“Com o claro caráter de provocar os manifestantes, um dos integrantes do MBL passou no meio do ato com uma camisa com os dizeres “Vote em Militares”, de forma debochada o homem que se intitulou de policial começou a discutir com os manifestantes, até o momento em que agrediu um dos presentes, que estava vestido com os trajes do Homem Aranha, personagem bastante conhecido nas manifestações cariocas”.

Neste momento, a Polícia Militar resolveu abordar o caso.

Porém, ao invés de prender os provocadores, apenas o rapaz vestido de Homem Aranha foi detido.

Os três integrantes do MBL não foram colocados na “jaula” da viatura, e sim transportados “de carona” no banco do passageiro, onde davam risadas e sorriam para as fotos.

Esse foi o único incidente durante a manifestação — e que foi justamente causado por terceiros.

O protesto, pacífico, seguiu até o Museu do Amanhã sem maiores problemas.

Mais uma manifestação contra o presidente Michel Temer está marcada para a cidade carioca, nesta sexta-feira (9).

Outros protestos devem tomar conta das principais capitais do Brasil nesta quinta-feira (8), incluindo São Paulo às 18 horas, no Largo da Batata. Mais manifestações ainda devem ocorrer no domingo (11).

Já o Movimento Brasil Livre, “vencedor nas ruas”, tenta agora emplacar seus integrantes na política. Preocupados com as eleições municipais, não possuem qualquer mobilização “anti-corrupção” agendada nos próximos meses.

(Foto – Rapha Silva)


Leia mais