Polícia atira em negro desarmado e rendido nos EUA

Um homem negro americano desarmado que tentava ajudar um paciente com autismo foi baleado pela polícia da Flórida enquanto estava deitado no chão com as mãos para o alto pedindo aos policiais que não disparassem.

Charles Kinsey, de 47 anos, foi ferido em uma perna no incidente registrado na última segunda-feira (18) em Miami. Ele ajudava um homem autista que estava desorientado e que perambulava perto do local em que a vítima trabalha como terapeuta.

A polícia disse que estava respondendo a um chamado de emergência que advertia sobre um homem que caminhava com uma pistola e que ameaçava se suicidar.

Algumas imagens de telefones celulares mostram Kinsey no chão com os braços erguidos, perto do homem autista que estava sentado no chão brincando com um caminhão de plástico branco.

No vídeo, é possível ouvir Kinsey gritar para a polícia: “a única coisa que tem é um caminhão de brinquedo. Um caminhão de brinquedo. Sou um terapeuta comportamental em um lar coletivo”. Mesmo assim, Kinsey foi baleado na perna e, em seguida, algemado.

Já no hospital, Kinsey disse ao canal de televisão WSVN, da Flórida, que quando estava no chão disse à polícia que estava desarmado e pediu para que os policiais não atirassem.

“Foi como uma picada de mosquito. Quando me atingiram, eu estava dizendo ‘continuo com as mãos para o alto’.  Em seguida, perguntei ‘senhor, por que atirou?’, e suas palavras foram ‘não sei'”.

O policial que atirou foi colocado em licença administrativa, por pelo menos uma semana, informou o jornal “Miami Herald”, acrescentando que uma investigação foi aberta pelo gabinete da procuradoria de Miami-Dade.

O incidente ilustra a tensão racial vivida nos Estados Unidos. Dois atentados contra policiais deixaram oito agentes mortos (três em Baton Rouge, no último domingo (17), e cinco em Dallas no dia 7 de julho).

O país enfrenta uma onda de protestos contra a violência policial contra os negros nos EUA, depois novos casos de abusos nas últimas semanas: um pai de 37 anos de idade foi morto por agentes em Baton Rouge e outro homem negro morrer baleado em uma blitz em Falcon Heights, Minnesota.

G1


Leia mais