Para Rui Costa Pimenta, é fundamental anular o golpe para que não se corra o risco de uma intervenção militar

Em debate realizado no auditório da APEOESP, no dia 10/01, sobre o “Movimento pela Anulação do Impeachment”, o jornalista e presidente do Partido da Causa Operária (PCO), Rui Costa Pimenta, disse que o movimento formado pelas bases sociais tem 100% de chances de prosperar.

Opositor da presidenta eleita, Pimenta afirmou que a volta de Dilma Rousseff é necessária para a expulsão dos golpistas que estão atacando a democracia e os direitos sociais.

Ele ainda chama a atenção ao fato de que alguns colunistas já estão pedindo para que Temer faça uma política semelhante ao do governo Dilma.




“Há diversos choques entre o governo, o congresso e o Judiciário, em que a mídia golpista noticia que Temer tem o controle sobre o legislativo. E há até colunistas conservadores já escrevendo sobre a necessidade de o governo dar marcha à ré e fazer política igual à do PT para evitar o colapso total. É a oportunidade para reverter o impeachment. E se não fosse possível, este auditório não estaria lotado  a uma hora dessas, em início de janeiro. É grande a chance deste movimento formado pelas bases dos movimentos, sindicatos e partidos”, disse.

Rui afirmou que, de certo modo, a esquerda aceitou o Golpe de 2016 e que, com o passar do tempo, o país corre o risco de sofrer uma intervenção militar.

“É um típico golpe de estado que avança rapidamente com medidas já aprovadas e outras em andamento para modificar profundamente as relações existentes no país, principalmente trabalhistas e sociais, que colocam em risco até mesmo a sobrevivência da esquerda na legalidade. A depender do plano que minimiza os riscos que o povo está correndo, a esquerda vai ficar à margem de um Estado que pode, inclusive, vir a sofrer uma intervenção militar”, afirmou.