Papa Francisco cancela visita ao Brasil por não concordar com o Golpe de 2016

Agora é oficial. O Papa Francisco não virá ao Brasil em 2017, no tricentenário da aparição da imagem de Aparecida. Oficialmente, será noticiado que o papa se dedicará a receber os bispos do mundo que vão a Roma na chamada visita “ad limina” no próximo ano. Porém, extraoficialmente, sabe-se que Francisco cancelou a visita por discordar do golpe ocorrido no país.

Robson Sávio Reis Souza, doutor em Ciências Sociais e professor da PUC-Minas





Nobel da Paz,Pérez Esquivel: Papa Francisco apoia Dilma Rousseff:

“O Papa Francisco está muito preocupado com o que está acontecendo no Brasil, tudo isso trará consequências negativas para toda a região, teremos um retrocesso democrático sério.”

O Prêmio Nobel da Paz, Adolfo Perez Esquivel, falou com este jornal ontem (28/04/2016) depois de sua audiência com a presidente Dilma Rousseff no Palácio do Planalto.

CONVERSARAM SOBRE O PAPA?

Falamos com a Presidente sobre vários assuntos, também falamos sobre o Papa. Ela sabe que ele está a par, de sua preocupação, que estamos em contato com ele.

QUE IMPRESSÃO SE LEVA DA PRESIDENTA?

A presidente Dilma está muito consciente do que está acontecendo, não estive muito tempo com ela, ainda que seja possível ver que é uma pessoa forte, que irá lutar pela democracia. Está muito decidida a lutar porque sabe que é injusto o que estão fazendo com ela. Não há nenhuma denúncia contra a presidente e os que a acusam, em muitos casos, são denunciados e processados.

TEM PREVISÃO DE VIAJAR AO VATICANO?

Após terminar esta viagem, vou escrever uma carta ao Papa para lhe contar o que ocorre no Brasil, e possivelmente viajarei ao Vaticano, mais ou menos em fins de maio, quando já se saberá o que aconteceu com todo este processo que chamam de impeachment, para não dizer que é um golpe branco. Isto é muito sério. Para ter um panorama mais amplo, irei também até a Ordem dos Advogados do Brasil, passarei por Curitiba (Estado do Paraná) e Porto Alegre (Rio Grande do Sul), estarei nos atos do dia primeiro de maio.

A POSIÇÃO DO PAPA SE REFLETE NA IGREJA BRASILEIRA?

Estive na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, conversei com o secretário geral, dom Leonardo (Ulrich Steiner), eles se mostraram muito preocupados também. Na realidade, concretamente, o que acontece no Brasil é que partem para um golpe branco, como o que já houve em Honduras contra o presidente (Manuel)Zelaya, em 2009, e no Paraguai contra (Fernando) Lugo, em 2012.

Agora, não querem os chamar de golpes, mas está claro que são golpes. Utilizam métodos distintos, não necessitam das forças armadas, porque possuem os grandes meios de comunicação, uma parte dos juízes, os políticos conservadores, os grupos da oligarquia. É preciso convocar o Mercosul para que trate do que acontece no Brasil, a partir da cláusula democrática. Tivemos uma declaração da Unasul contra este processo destituinte, que é um processo da direita brasileira apoiado por grupos estrangeiros que são contra a integração regional.

“ESTOU TRISTE”

Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva analisaram, nesta semana, várias táticas de “resistência democrática”. Uma é a mobilização popular que, ontem, foi realizada em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro e outros estados e que esteve sob responsabilidade do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto. Outra é a possível convocação de eleições antecipadas ou um plebiscito, impulsionado por uma dezena de senadores do PT e outros partidos, que foram recebidos ontem no Planalto.

Dilma também avalia realizar um giro pela América Latina e Europa para denunciar a iminente quebra da normalidade institucional, que começará em meados de maio com um parecer da Comissão Especial de Impeachment, que começou a atuar esta semana.

Tão logo se inicie esse processo, Dilma deverá se licenciar do cargo por até seis meses, nos quais será substituída pelo vice-presidente Michel Temer. Razão pela qual, no dia 5 de agosto, ela não poderá fazer parte da cerimônia inaugural dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, tema a respeito do qual falou em uma reportagem transmitida, ontem, pela cadeia norte-americana CNN.

“Sinto-me triste por não poder participar das Olimpíadas… gostaria muito de participar (nesta última etapa) da organização, porque ajudei muito para esse processo, desde os primeiros dias”.

“Estou triste porque acredito que o pior que pode acontecer a um ser humano é ser vítima de uma grande injustiça que é este impeachment, com ele se perdem nossas conquistas democráticas”, declarou à CNN.

No governo, consideram que os grandes meios de comunicação norte-americanos e europeus registraram e informaram sobre as anomalias que contaminam o processo contra Rousseff e a dupla moral daqueles que a acusam, montados em um discurso disfarçado de luta contra a corrupção. Na contramão do informado pelos meios de comunicação progressistas e conservadores de vários países, no Brasil, a narrativa jornalística omite os fatos com notícias nas quais se insiste na normalidade institucional, com o propósito de dissimular o golpe.

Assim como atua a classe política, montando simulacros republicanos como a Comissão Especial de Impeachment, na qual ninguém leva em conta as evidências sobre a inocência de Rousseff nos crimes de Estado pela qual a acusam. Antes que uma comissão para avaliar os argumentos de defesa e acusação, esse organismo parece decidido a consumar o rito sumário que inexoravelmente desembocará na licença deRousseff.

Após sua passagem pelo Palácio do Planalto, Pérez Esquivel foi ao Supremo Tribunal Federal e ao Senado, onde expressou sua “solidariedade” aos brasileiros ameaçados por um “golpe”.

Declarações que levantaram a ira do senador conservador Ronaldo Caiado, doPartido Democratas, reencarnação da Arena, o agrupamento que deu suporte civil à ditadura.

Nas primeiras horas da noite, Pérez Esquivel falou novamente com este jornal para expressar sua “surpresa ao ver como, aqui, o golpe é escondido. Enquanto o mundo todo fala deste tema fora do Brasil, aqui, ficam ofendidos porque dizem que há normalidade democrática. Se há normalidade como dizem os opositores a Dilma, por que não convocam um plebiscito para ver como se soluciona a crise? Sempre é melhor que o povo vote”.

Traduzido pelo Cepat


Leia mais