Os três patetas falaram

Ouvi atentamente a entrevista coletiva, dada ontem, pelo triunvirato do mal: Michel Temer, Renan Calheiros e Rodrigo Maia.

Gostei de quatro momentos: quando Temer foi hipócrita, quando foi mentiroso e nas duas vezes em que foi sincero.

Foi hipócrita quando afirmou, referindo-se à gravação feita pelo ministro demissionário, da Cultura, que gravar um presidente da república é uma indignidade e um crime.

Hipócrita porque quando a gravação foi no telefone da Dilma ele achou digna e lícita.

Aécio Neves está com a mesma posição, mas este não conta, já que não sabemos quando afirma lúcido ou viajando no talco.




Foi mentiroso quando afirmou que se envolveu no entrevero Gedel com o ministro demissionário porque estava havendo um conflito entre órgãos do governo.

Mentira porque o conflito era entre o IPHAM baiano e o IPHAM nacional, portanto em um único órgão, conflito inexistente, uma vez que a seccional estadual está subordinada à direção nacional.

O que houve foi tentativa de tráfico de influência mesmo, advocacia de funcionário público em favor da iniciativa não pública, caracterizando prevaricação, crime de responsabilidade.

Os dois momentos de sinceridade ficaram por conta, primeiro, da afirmação que se os deputados aprovarem a lei de anistia à caixa dois ele vetará, e afirmou isso muito zangado.

E porque vetará, porque a zanga?

Temer seria um dos beneficiários da anistia, e estava muito interessado nisso, orientando que a proposta dos trambiqueiros se desse através de PEC, o que não aconteceu, com paspalhos propondo através de projeto de lei, PL.

E porque isso? Aprovadas, as PEC passam a vigorar imediatamente, enquanto os PL dependem de sanção presidencial.

Temer já está queimado demais, não tem mais cacife para bancar maracutaias, e isso foi o que deixou putinho.

Mais honesto foi ainda quando afirmou que não é ingênuo e está muito preocupado com as delações dos executivos da Odebrecht.

Claro que o moço não é ingênuo e sabe que, sendo citados políticos da oposição (a ele, Temer), serão poucos e já conhecidos da opinião pública, enquanto as cúpulas dos partidos salvadores da pátria serão todas denunciadas, onde se inclui praticamente todo o governo, começando pelo Presidente da República, ministros e escalões superiores.

Logo vamos descobrir que as freirinhas da direita nada mais são que vulgares e rampeiras prostitutas, embora de caríssimos michês.

Francisco Costa


Leia mais