O mundo amanheceu na era Trump

patyLuciana Oliveira

Quem sou para uma análise minimamente compreensível do que significa a eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos? O mais influente filósofo da nova esquerda, o esloveno Slavoj Zizek, declarou que votaria em Trump para dar início ao um novo processo político, revolucionário.

Quem sou para fazer uma análise minimamente compreensível do que significa a eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos? O mais influente filósofo da nova esquerda, o esloveno Slavoj Zizek, declarou que votaria em Trump para dar início ao um novo processo político, revolucionário.

Me resta debruçar sobre esta sentença para aceitar o resultado.

De fato, tudo indica que Trump não será só mais um a ocupar a Casa Branca e comandar a maior economia do planeta, com um PIB que ultrapassa em mais de 6 pontos a segunda.

Vem aí a Era Trump.




Mais armas para a população, protecionismo no comércio internacional, revisão da parceria com a OTAN, regulamentação das religiões, barreiras ao acesso de muçulmanos, mais empregos e menos investimento em programas sociais.

O tipo lunático é o que mais insinua uma ‘revolução’ como a promovida em outra Era, a de Ronald Reagan, que durou quase uma década.

Na década de 80 o capitalismo emergiu como o leviatã descrito no livro de Jó, transformando ferro em palha e bronze em pau podre com o estímulo ao terror, às guerras.

Para minar o que restara da influência ideológica da União Soviética, Reagan deu ajuda técnico-militares e financeiras a países que formaram grupos anti-comunistas, como o Afeganistão, Angola, Camboja e Nicarágua.

O que Reagan plantou, os americanos colhem até hoje.

Osama Bin Laden, é melhor exemplo de criatura que se voltou contra o criador.

Ele seguiu à risca a doutrina Reagan que prometia a paz por meio da força, da guerra.

Um índio da Guatemala me contou que ao nascer os pais pingaram um gota de sangue em seus olhos, para que sentisse o horror vivido no país graças ao apoio do presidente Reagan às atrocidades do ditador brutal Efrain Rios Montt, que deixou cerca de 200.000 mortes.

“O zelo anticomunista e o ódio racista se disseminaram no desempenho da contrainsurgência. As matanças eram inconcebivelmente brutais. Os soldados matavam crianças, lançando-as contra rochas na presença dos pais. Extraíam órgãos e fetos, amputavam a genitália e os membros perpetravam estupros múltiplos e em massa e queimavam vivas algumas vítimas”.

São várias as guerras patrocinadas sob a ótica da doutrina Reagan, por seus sucessores, que num efeito bumerangue se voltam contra o lançador.




Os EUA pagam até hoje pela insanidade do excêntrico presidente, ex-ator, comentarista esportivo e salva-vidas que saiu de cena, mas não sem deixar outro maluco em seu lugar.

De novo os americanos pagam pra ver, apostam no discurso com promessas inexequíveis e na força bruta contra ameaças terroristas.

Trump chamou várias vezes Hillary de mentirosa, o que de fato é, no que diz respeito ao discurso sofista da democracia liberal e isso o consagrou como o super sincero.

Talvez nesse sentido Zizek tenha dito que Trump é só um candidato oportunista, mas com menos maquiagem, mais previsível.

Não com isso o esloveno me convenceu, mas persigo nas entrelinhas uma explicação lógica à eleição do presidente babaca que soa como um sinalizador nos ares em direção ao terrorismo.

Hillary seria mais do mesmo, mas disse que seria diferente.

Trump disse ao mundo pra que veio, não para ser só mais um presidente, mas para inaugurar uma ‘nova’ Era.

E os americanos acreditaram.

Alguém duvida que Bolsonaro pode cair na graça do povo brasileiro?

Luciana Oliveira, bacharel em Direito, jornalista e ciberativista de causas sociais. Blogueira progressista e membro da Comissão Nacional de Blogueiros.


Leia mais