Patrícia Miguez: Não permita que seu ódio pela esquerda tire seus direitos

Caro leitor,

Esta carta é para você: você mesmo, que odeia o PT e que acha que o Lula é o maior ladrão da história do Brasil; para você mesmo que acha que todos os sindicatos são formados por vagabundos e que a CUT é uma quadrilha. É com você que eu quero conversar.




Senta aqui, vamos bater um papo. Vamos colocar nossas diferenças de lado por um segundo e falar sobre o que no fundo importa: o futuro de todos nós.

Amanhã teremos uma greve geral. A ideia é movimentar o país inteiro e mostrar que não estamos satisfeitos com as reformas da previdência (o fim da sua aposentadoria) e trabalhista (o fim dos seus direitos). Sim, seu “direito de ir e vir” talvez fique comprometido: talvez você não consiga chegar em algum ponto da cidade, seja porque os ônibus podem estar paralisados na sua cidade, porque o trânsito pode estar caótico ou porque estejam ocorrendo manifestações pelo centro.

Não, leitor, quem está parando o país não é o PT ou a CUT, mas sim uma classe trabalhadora insatisfeita com o rumo que as coisas tomaram. E tenho certeza que satisfeito você também não está; acredite, lhe acolheremos entre nós. E, não, a greve também não tem o propósito de defender o Lula – inclusive, você tem todo o direito do mundo de querer que ele seja julgado (desde que legal e justamente).

Sim, leitor, você pode não concordar com boa parte dos ideais da esquerda e ainda assim não querer ter seus direitos dizimados (e, acredite em mim, eles serão).

E você é muito mais do que bem vindo para se juntar a nós.