Moro será julgado no CNJ por vazamento de conversas da família do ex-presidente Lula

O juiz Sergio Moro será julgado pelo Conselho Nacional de Justiça na próxima terça (30), por dois procedimentos supostamente abusivos contra o ex-presidente Lula. Um deles está relacionado ao vazamento de grampo de conversas de familiares do petista.




O Painel da Folha desta quinta (25) destacou que o “timing” do CNJ não poderia ser mais curioso. Isso porque, essa semana, houve uma crise entre Lava Jato e grande mídia por conta do vazamento de conversa do jornalista Reinaldo Azevedo com a irmã de Aécio Neves, Andrea Neves.

No trecho divulgado, Reinaldo aparece criticando a cobertura de Veja sobre a delação da Odebrecht contra Aécio. O jornalista acabou pedindo demissão. E a grande mídia, solidária, pressionou de maneira que o ministro Edson Fachin devolveu o sigilo a uma parte da delação da JBS para proteger jornalistas.

Folha chegou a publicar, na edição de quarta (24): “A divulgação de conversas não relacionadas com investigações criminais está em desacordo com o princípio constitucional que garante a intimidade dos cidadãos.”

A defesa dessa garantia constitucional, contudo, não foi feita em favor da família de Lula. Em março do ano passado, Marisa Letícia estampava capas de jornais porque a Lava Jato vazou áudio dela atacando paneleiros.

“Em meio à crise instalada pela divulgação do grampo feito por Joesley Batista com o presidente, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) colocou na pauta da sessão de terça (30) dois procedimentos contra o juiz Sergio Moro. Um deles questiona a divulgação de conversas de Lula e seus familiares”, disse o Painel. 




Ainda segundo a coluna, o corregedor do CNJ também encaminhou pedido a Rodrigo Janot, procurador-Geral da República, e a Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, para obter informações a respeito de um juiz citado nas delações de Joesley Batista.  

O juiz é Ricardo Leite, que também julga Lula, mas em Brasília, por obstrução de Justiça. O magistrado é suspeito de favorecer a JBS em ações penais.

Via GGN