Moro é ‘inimigo capital’ de Eduardo Guimarães e não pode julgá-lo, afirma defesa

Os advogados do blogueiro Eduardo Guimarães apresentaram nesta segunda (27) ao juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, uma exceção de suspeição para que o próprio magistrado se considere impedido de conduzir e julgar qualquer processo ligado a Guimarães.

Eles apresentam como razão a “inimizade capital e notória” de Moro em relação ao blogueiro.




O principal documento que embasa o pedido é uma representação que o juiz apresentou à Polícia Federal, em 21 de agosto do ano passado, pedindo que Guimarães fosse investigado por ter postado “comentários ou mensagens” em suas redes sociais “de conteúdo que podem configurar ameaças diretas ou veladas contra o ora subscritor [Moro]”.

No ano passado, o blogueiro chamou o magistrado de psicopata no Twitter e escreveu em sua conta na rede social que os “delírios” do juiz “vão custar seu emprego, sua vida”. Ele afirma que se dirigia aos leitores e não a Moro.

O advogado Fernando Hideo, que representa Guimarães, lembra também, em sua argumentação, que o blogueiro representou contra Moro no CNJ (Conselho Nacional de Justiça) em maio de 2015, requerendo a apuração de condutas do juiz na Operação Lava Jato.

“Ambos litigam em esferas judiciais, policiais e administrativas. Por óbvio, aquele [Moro] que representa criminalmente na condição de vítima de um crime praticado por alguém [Guimarães] não pode figurar como julgador dessa mesma pessoa em caso distinto”, afirma o advogado.

Leia mais na coluna de Mônica Bergamo, na Folha de São Paulo.