Medidas de João Doria (PSDB) para o transporte coletivo afetarão meio milhões de pessoas na grande SP

Se a ideia da equipe de transição do futuro prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) para o transporte coletivo se confirmar, cerca de 556 mil usuários do sistema de ônibus intermunicipais do ABCD que viajam à Capital diariamente vão arcar com reajustes. A “proposta” foi supostamente apresentada durante a transição de governo.

O estudo da equipe visa “engordar” a receita tarifária da Prefeitura ao “quebrar” as viagens intermunicipais. Ou seja, o usuário que se destina à cidade de São Paulo teria que fazer uma baldeação e arcar com o valor de outra passagem.

Em nota, a assessoria de Doria divulgou que “a equipe do prefeito eleito João Doria vai reestudar todo o sistema municipal de transportes e, se for o caso, estabelecer diálogo com o governo do Estado com vista a eventuais readequações no sistema intermunicipal”.




EMTU

A ligação dos sete municípios do ABCD com a Capital é realizada por 55 linhas metropolitanas, o que inclui a concessionária Metra, operadora do corredor ABD, e dezenas de empresas permissionárias que operam na área.

“A EMTU/SP desconhece qualquer estudo no sentido de reorganizar o sistema de arrecadação do transporte intermunicipal por ônibus na capital, assim como nos demais 38 municípios da Região Metropolitana de São Paulo”, afirmou a assessoria da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo.

CONSÓRCIO

De acordo com o Consórcio Intermunicipal, caso aprovada a medida de reestruturação, isso siginificaria uma solução da Capital que desconsidera a discussão metropolitana sobre transporte integrado.

“O Consórcio prega um novo tipo de gestão e já temos um estudo de integração operacional, que deixaremos para a próxima gestão. Uma atitude como essa, unilateral, prejudicaria os cidadãos da Região que acabariam pagando valores mais altos pelo transporte intermunicipal.

Via ABCD Maior