Marcos Valério conclui delação premiada sobre o Mensalão Tucano, Lava Jato e irregularidades envolvendo o PSDB em MG

O operador dos mensalões tucano e petista Marcos Valério terminou de redigir a delação premiada que irá apresentar ao procurador geral da República, Rodrigo Janot. O documento, finalizado nos últimos dias, tem 148 anexos e cita, pelo menos, 50 políticos e autoridades com atuação em Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. A expectativa da defesa é que o acordo de colaboração com a Justiça seja firmado em dezembro.

As informações do empresário prometem desvendar esquemas de corrupção em investigações em curso, como a operação Lava Jato e a do mensalão tucano – esquema de desvio de verba pública para a campanha de reeleição do então governador Eduardo Azeredo (PSDB), em 1998. Além disso, Valério teria documentos originais que comprovariam a prática de outras irregularidades, principalmente em Minas Gerais, que ainda não são alvo de ações na Justiça envolvendo o PSDB.

Segundo o advogado do empresário, Jean Robert Kobayashi Júnior, os nomes citados integram o Executivo, o Legislativo e o Judiciário. Nos últimos meses, o defensor se reuniu com o publicitário pelo menos duas vezes por semana, e cada encontro durou cerca de duas horas.




“O Marcos Valério escreveu, de próprio punho, todas as informações, e, posteriormente, eu as redigi. São 148 anexos, cada um deles trata de um episódio”, afirma Kobayashi Júnior.

Ainda de acordo com o advogado, ele irá se encontrar no próximo mês com Rodrigo Janot, em Brasília, para apresentar a ele o conteúdo da delação e, possivelmente, oficializar os termos do acordo.

Relatório. O documento que o advogado irá entregar à Procuradoria Geral da República começou a ser desenhado há cerca de dois meses. No dia 28 de setembro, dois procuradores federais, enviados a Minas Gerais a pedido de Rodrigo Janot, além de dois promotores do Ministério Público do Estado responsáveis pelo processo do mensalão mineiro, ouviram Valério por quase quatro horas na capital mineira.

Naquela ocasião, ficou acordado que a defesa entregaria um relatório com detalhes dos esquemas de corrupção, além dos documentos que o empresário afirma ter para comprovar as acusações que faz contra autoridades e políticos em âmbitos estadual e federal.

Uma das contrapartidas pedidas pela defesa é a transferência imediata do empresário da penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, para uma unidade da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac). Valério diz não se sentir seguro no atual local de detenção. Ele foi condenado a 37 anos no mensalão petista.

Em Minas, os promotores responsáveis pelo caso do mensalão tucano aguardam o desfecho da colaboração premiada em âmbito nacional para que possam se posicionar em relação ao processo que tramita na Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, que envolve empresas estatais e autoridades locais.

Leia mais no O Tempo.

Assista ao comentário do deputado estadual Rogério Correia (PT-MG):


Leia mais