Mais um condenado graças aos direitos humanos – Debate Progressista

Mais um condenado graças aos direitos humanos

O ex-general sérvio-bósnio Ratko Mladic foi condenado à prisão perpétua nesta quarta-feira pelo massacre de Srebrenica e por crimes de guerra e contra a Humanidade durante a guerra da Bósnia (1992-1995) pelo Tribunal Penal Internacional. Hoje com 74 anos, o réu não pôde ouvir a leitura do seu veredito após um acesso de raiva com gritos e foi retirado do tribunal por mau comportamento. Após 16 anos em fuga, Mladic foi capturado na Sérvia em 2011 e, neste ano, tornou-se o último fugitivo julgado pela Justiça internacional.




O caso está sendo julgado pelo Tribunal Penal Internacional para a antiga Iugoslávia (TPII), que encerrará suas atividades ainda neste ano. Madlic foi considerado culpado por dez de onze acusações, incluindo a morte de 8 mil homens e meninos muçulmanos em Srebrenica e o cerco a Sarajevo, em que mais de 11 mil civis foram mortos por uma campanha de franco-atiradores e bombardeios durante 43 meses. Segundo a corte, o ex-líder militar realizou estas ações intencionalmente, tendo contribuindo significativamente ao massacre em Srebrenica e dirigido pessoalmente o cerco a Sarajevo. Por isso, foi condenado pelos crimes de extermínio, perseguição e assassinatos.

Durante a leitura do veredito, Mladic se levantou e gritou com os juízes presentes. A defesa pediu que a sessão fosse interrompida, alegando que o acusado sofria de um problema de pressão arterial. O juiz Alphons Orie, no entanto, não atendeu o pedido e ordenou que Mladic fosse retirado da sala. O ex-general se declara inocente para todas as acusações, e deverá apelar da sua condenação.

— Eles mentem, vocês mentem. Não me sinto bem — gritou o acusado.

Em julho de 1995, as tropas comandadas por Mladic cercaram Srebrenica, numa ação que resultou no assassinato de mais de 8 mil bósnios muçulmanos, de crianças a idosos. Os homens foram separados das mulheres e levados em ônibus para serem assassinados. Desde a Segunda Guerra Mundial, foi o maior assassinato em massa da Europa e o primeiro caso legalmente reconhecido como genocídio desde o Holocausto.

— Os crimes cometidos estão entre os mais hediondos conhecidos pela Humanidade, e incluem genocídio, extermínio e crimes contra a Humanidade — disse o juíz, Alphons Orie, que presidia a sessão, ao ler o veredito. — Muitos destes homens e meninos foram amaldiçoados, insultados, ameaçados, forçados a cantar músicas sérvias e espancados enquanto aguardavam sua execução.

Após as execuções, os corpos foram escondidos em valas comuns. Alguns, inclusive, foram levados a zonas remotas, para que as dimensõs do massacre ficassem escondidas do mundo. Até hoje, mais de 6,9 mil vítimas já foram identificadas por exames de DNA.

Leia mais no O Globo.