Magno Malta articulou emenda no Congresso para beneficiar a empresa Cozinhas Itatiaia

E-mails da cúpula de uma fabricante de armários de cozinha e de uma funcionária do Senado sugerem que o senador Magno Malta (PR-ES) articulou uma emenda no Congresso para beneficiar diretamente a empresa.

Os e-mails, aos quais a Folha teve acesso, tratam da inclusão de armários de cozinha no escopo do programa Minha Casa Melhor, lançado em junho de 2013 pela ex-presidente Dilma Rousseff.




O programa dava crédito de R$ 5.000 para beneficiários do Minha Casa, Minha Vida mobiliarem seus imóveis. Inicialmente, previa o financiamento de cama e sofá, por exemplo, deixando de fora os armários de cozinha.

A Cozinhas Itatiaia é uma das maiores do setor no país. Como a Folha noticiou em agosto, outros e-mails da direção da firma indicam, sem dar o motivo, que Malta recebeu, em 2014, R$ 100 mil não declarados da Itatiaia, além de ter voado em seu jatinho. Ele nega ter recebido o valor.

Em 13 de junho de 2013, o presidente da Itatiaia, Victor Penna Costa, escreveu a Hugo Gabrich, seu ex-assessor: “Como colocamos pra dentro?”, referindo-se aos armários e ao Minha Casa Melhor.

Gabrich respondeu, minutos mais tarde: “Já estou entrando em contato com o Magno, vai me ligar já! Temos que articular!!!!!”.

Em 17 de junho de 2013, o gerente de marketing da empresa, Mauro Bicalho, escreveu a Costa e Gabrich que o valor máximo para financiar móveis de cozinha, pelo programa, deveria ser R$ 1.100, a fim de beneficiar a Itatiaia.

“Valor menor que esse estaremos trabalhando para cozinhas ‘tipo’ Imop, Poquema, Aramóveis [outras fabricantes]…”, diz a mensagem.

Passados três dias, a auxiliar Ana Paula Guedes Saide, comissionada no gabinete de Malta, enviou um e-mail à Itatiaia sob o título “Medida Provisória nº 620/2013” -tal MP dava as bases do programa Minha Casa Melhor.

“Cumprimentando-o cordialmente e de ordem do Sr. Hazenclever, encaminho anexo”, escreveu a auxiliar.

Hazenclever Cançado é o chefe de gabinete de Malta. Anexada à mensagem havia uma cópia escaneada de uma emenda à MP -assinada pelo ex-senador Gim Argello (PTB-DF), que neste ano viria a ser preso pela Lava Jato.

“Estarão entre os bens de consumo duráveis […] armários de cozinha de aço ou madeira, no valor máximo de R$ 1.100”, propunha a emenda, datada de 18 de junho de 2013. Conforme o site da Câmara, por onde tramitaria a proposta se fosse aprovada no Senado, essa era a data final para a apresentação de emendas à MP 620.

A respeito do texto da proposta, Gabrich escreveu a Costa: “O primeiro e importantíssimo passo foi dado. Para se ter uma ideia, ontem foi o último dia para apresentação de emendas, veja se esta não está com o nosso DNA?”.

No entanto, semanas depois, em 13 de julho de 2013, Costa sugeriu que não iria esperar a Câmara aprovar a emenda e apontou, então, outra frente de ação.

“Acho que pela Casa Civil dá… pela Câmara não vai dar para nós, orçamentos super estourados, vendas em baixa, lucro minguado”, disse.

Leia mais na Folha.


Leia mais