Luciana Oliveira: Por que justo agora, Moro dá valor ao que Palocci tema dizer? – Debate Progressista

Luciana Oliveira: Por que justo agora, Moro dá valor ao que Palocci tema dizer?

Há 1 ano, quando o Senado estava prestes a sacramentar o golpe à democracia, o juiz Sérgio Moro desprezou o que o ex-ministro Antônio Palocci queria acrescentar às investigações da Operação Lava Jato.

O ‘italiano’ que agora acha que é o ‘italiano’ da lista da Odebrecht sem nunca ter sido assim chamado, disse em abril de 2016 que se Moro quisesse, poderia apresentar “fatos com nomes, endereços e operações realizadas”.




Mas, Moro não quis ver as tais provas e sequer ouvi-lo. Soou como ameaça.

“Suas declarações em audiência, de que seria inocente, mas que teria muito a contribuir com a Lava Jato, só não o fazendo no momento pela ‘sensibilidade da informação’, soaram mais como uma ameaça para que terceiros o auxiliem indevidamente para a revogação da preventiva, do que propriamente como uma declaração sincera de que pretendia naquele momento colaborar com a Justiça”, disse Moro.

Agora, na iminência de uma nova denúncia por corrupção contra Michel Temer, o juiz quis.

O depoimento de Palocci passou a ter tanta importância que abafou o escândalo do ‘bunker’ de Geddel Viera, ex-ministro e operador de confiança do presidente golpista.

Aliás, sem uma denúncia ‘anônima’, a Polícia Federal não teria encontrado mais de 51 milhões de reais em malas e caixas no apartamento emprestado a Geddel. Moro e os membros da força-tarefa estiveram tão obcecados em provar que o triplex do Guarujá é de Lula que não perceberam que a um quilômetro do local onde Geddel cumpre prisão domiciliar era guardada uma fortuna.

fdp1

As digitais do amigo de confiança de Temer foram encontradas no apartamento-cofre de propinas, mas a grande imprensa deu destaque mesmo foi ao depoimento de Palocci contra ex-presidentes petistas.

Não bastasse isso, sem mais nem menos, o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, denunciou Dilma e Lula por obstrução de justiça. Para ele a nomeação do ex-presidente como ministro só visava protegê-lo com o foro privilegiado.




Por que Janot não agiu para impedir que Temer nomeasse vários ministros investigados na Lava Jato, ninguém sabe.

Mas, esse assunto que perdeu o sentido com mais de 15 ministros enrolados com a justiça, também domina o noticiário.

E daqui pra frente, Lula e Dilma seguirão em destaque pra ofuscar o oferecimento da nova denúncia contra Temer.

Parece muito claro o jogo bruto para manter a “solução mais fácil” e vantajosa aos golpistas, ou seja, Temer no poder.

A torcida do golpe até já engrossa o coro de que o depoimento de Palocci é que temos de mais grave neste momento.

O povo que não deu a importância devida aos áudios que incriminam Michel Temer e Aécio Neves e às imagens das malas de dinheiro de Rocha Loures e Geddel Vieira, já se deixa manipular pelo depoimento de Palocci contra Dilma e Lula.

Tudo muito conveniente a quem manipula os resultados para vencer o jogo. E não sem quebrar o país.




Moro, agora, deixou Palocci falar à vontade.

Soa estranho o peso que o depoimento de Palocci tem agora e se der mais um ano de trabalho a Moro como previu o ‘italiano’, o acordo para manter Temer e blindar os de sua laia segue inabalável.

O depoimento oportunista de Palocci, abafa o que se prova com sons e imagens contra Temer e sua camarilha e coloca em evidência o que se ouviu dizer de Lula e Dilma.

A torcida do golpe está de prontidão para ao contrário do que fez o apóstolo Tomé, crer sem ver ou, ver e não crer.

A única certeza neste momento é que segue o jogo bruto para atingir um resultado manipulado.

Os canalhas estão unidos. É fácil quebrar uma vara, mais difícil é quebrar um feixe de varas, com o STF, com tudo.