Lindbergh Farias pediu a líderes de movimentos que assinem pedido de impeachment de Temer até quarta

Em reunião com representantes de movimentos populares e das frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular, no início da tarde deste domingo, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) sugeriu que lideranças dos movimentos assinem até quarta-feira um pedido de impeachment do presidente Michel Temer. 

A base do pedido é a afirmação do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de que Temer teria intercedido em favor do ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima no caso edifício La Vue, em Salvador, embargado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), órgão subordinado ao MinC.

“Estamos com uma peça jurídica pedindo o impeachment, mas a ideia é que não seja assinada por parlamentares, mas por advogados e representantes da sociedade civil”, disse Lindbergh.




Segundo ele, o objetivo é atrelar o pedido de impeachment de Temer a outras pautas como a realização de eleições diretas para presidente e a retirada da PEC do Teto. “Entendemos que qualquer solução tem que passar pela legitimidade do voto popular”, afirmou o senador petista. 

Os representantes se comprometeram a encaminhar a proposta aos movimentos em caráter de urgência e dar uma resposta até, no máximo, quarta-feira. “A ideia é apresentar o pedido até quinta-feira”, disse Lindbergh.

Participaram da reunião representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central de Movimentos Populares (CMP), União Nacional dos Estudantes (UNE), Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e o ator Fábio Assunção, entre outros.

“Avaliamos que ao que tudo indica, dada a participação do presidente no episódio, os movimentos devem avaliar a proposta de subscrever o pedido de impeachment de Temer”, disse Raimundo Bonfim, da CMP.

Leia mais no Estado de São Paulo.


Leia mais