Lídice da Mata: Debate sobre novas eleições não está encerrado

Via Brasil 247:


A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) entende que, apesar do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o debate sobre a possibilidade de novas eleições presidenciais antes de 2018 não está encerrado. “Já que nós não queremos eleição direta, vamos fazer uma eleição indireta. Porque se Temer for cassado, a eleição será indireta. O Congresso será transformado num colégio eleitoral e vai eleger um novo presidente, o que demonstra que há uma necessidade de uma nova formatação de poder no Brasil. No Parlamentarismo, quando cai o gabinete, um novo gabinete se constitui e se convoca uma nova eleição parlamentar”, diz a parlamentar.




A congressista avalia, ao mesmo tempo em que sobe a impopularidade do governo Temer, aumenta a blindagem dele na Câmara dos Deputados e no Senado, porque, segundo ela, o novo presidente é completamente refém dos políticos que aprovaram o impeachment de Dilma. “O Brasil não está tentando se recompor por meio de novas eleições. Está tentando por cima, onde o governo está com uma grande desaprovação popular, mas com uma grande aprovação interna nos interesses dos políticos. Quanto mais o governo Temer se afasta do povo, mais ele agrega através dos favores políticos, ao parlamento, em torno do seu governo”. A entrevista foi concedida ao Tribuna da Bahia.

De acordo com a parlamentar, um exemplo da antipatia da população ao novo governo é a PEC 241, que limita pelos próximos 20 anos os gastos do governo. Lídice é contra a medida, que já foi aprovada na Câmara e tramita no Senado. “Quem votou na PEC 241 comemorando, 15 dias atrás, hoje deve estar muito preocupado com o desdobramento disso no País. Está claro que haverá, e já está havendo, uma mobilização popular contra. Eu não conheço nenhum país no mundo que tenha constitucionalizado uma política de ajuste fiscal”, disse.


Leia mais