Letícia Sabatella: ‘Sinto muito eles verem as coisas com tanto ódio’

Terra Sem Males – Na noite deste domingo, 31 de julho, a atriz curitibana Letícia Sabatella registrou boletim de ocorrência no 1º Distrito da Polícia Civil de Curitiba para relatar as agressões sofridas na rua, durante uma manifestação contra a presidente Dilma.

“Eu não provoquei isso, não foi uma coisa que eu queria que acontecesse. Isso está acontecendo com muitas pessoas maravilhosas que estão sofrendo com tudo isto, até mesmo injustiças, como os  índios, como os sem terras. É uma coisa que está fazendo parte do nosso país no momento, que pena, não dá pra conversar com as pessoas, não dá pra passar em algum lugar e dar um oi pra alguém que está ali”, declarou.

Ela também agradeceu o carinho dos que a apoiaram.

“A Letícia foi vítima de intolerância e os vídeos deixam isso claro. Dezenas de pessoas tentando acuá-la, hostilizando, ofendendo verbalmente, sendo agredida, com pessoas sendo contidas pela Polícia Militar. Simplesmente porque ela se posicionou, tomou postura política contrária àquilo que eles pensam”, declarou o advogado Nasser Allan, que acompanhou a atriz na delegacia.

“Eu acho que a manifestação deles deve ter sido muito ruim e a manifestação na Praça do Homem Nu, contra o Temer, foi muito mais amorosa, mais acolhedora”, disse Letícia. “Eu sinto muito por eles estarem sentindo e vendo as coisas dessa maneira, com tanto ódio”.

ENTENDA O CASO

Na tarde deste domingo, 31 de julho, a atriz curitibana Letícia Sabatella andava pelo centro de Curitiba e passou pelo ato de apoio à Lava Jato, contra a presidente Dilma, que reunia manifestantes de verde e amarelo nas escadarias da Praça Santos Andrade. Pelas imagens, a atriz foi abordada em frente à fachada do Teatro Guaíra, onde estavam estacionados três caminhões de som vinculados à manifestação. Sabatella filmou as agressões com seu celular. Entre os termos audíveis da agressão verbal, a atriz foi chamada de “sem vergonha” e “você é puta”. Ela também ouviu “acabou a mamata”, “chora petista”, “vai embora”, “tira ela daqui”.