Lembra-se da Venina do Fantástico? Ela perdeu a ação contra a Petrobras e terá que arcar com os custos

O Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro negou à ex-gerente da Petrobras Venina Velosa, na terça-feira (13), o pedido de indenização trabalhista feito por ela, em 2014, contra a petrolífera.

Na sentença, a Justiça também determina que Velosa arque com os custos do processo: R$ 40 mil. O valor foi calculado sobre o valor da causa, de R$ 2 milhões. Venina pode recorrer.

Na sentença, a juíza titular da 31ª Vara do Trabalho, Cristina Almeida de Oliveira, ordena que “diante dos depoimentos e provas juntadas nesse processo”, a ação seja encaminhada ao juiz titular da 13ª Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro, responsável por julgar casos referentes à operação Lava Jato.



O objetivo, de acordo com a magistrada do Rio, é que se apure “novas irregularidades” que possam ajudar em investigações e processos envolvendo a Petrobras e que estejam naquela Vara.

VENINA ALEGOU PUNIÇÃO

Ao processar a estatal, Velosa alegava ter sido transferida para Cingapura, no Sudeste Asiático, como punição por ter alertado a diretoria da Petrobras sobre irregularidades no setor de comunicação da empresa. Depois foi afastada de qualquer função e, em seguida, entrou com uma ação pedindo ser ressarcida por danos morais.  

Mas a juíza não entendeu dessa forma. De acordo com a decisão, “a transferência da autora [Velina Velosa] para Cingapura não restou configurada como assédio moral”.

A magistrada também considera que, apesar de Velosa ter alegado que a mudança para a Ásia tenha sido resultado de “assédio e pressões psicológicas sofridas”, na decisão a juíza destaca que em e-mail enviado ao ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, Velosa ” agradece a oportunidade de estudar no exterior, com remuneração global acima de R$ 150 mil”.

Também são listadas na sentença outras vantagens obtidas por Velosa ao se mudar para Cingapura. Entre elas, “carro e imóvel alugados de ‘excelente padrão’, pagamento de estudo das filhas em escola particular bilíngue e plano de saúde”.

Leia mais no G1.