Jogadores da seleção masculina de futebol ganharam 14 vezes mais que a judoca Rafaela pelo ouro

Quanto vale uma medalha de ouro no futebol para cada jogador e comissão técnica? R$ 12 milhões. E a judoca Rafaela Silva, que conquistou sozinha o ouro no Judô? R$ 35 mil. O disparate olímpico revela o fosso que separa o esporte no Brasil. O curioso é que o Comitê Olímpico Brasileiro calculou que daria para cada atleta de esporte coletivo que conquistasse o ouro R$ 17,5 mil – que é o que vai ganhar, por exemplo, os atletas do vôlei. Mas seis é diferente de meia dúzia quando a lógica tem como parâmetro a elite do futebol.

A verdade dos números esconde, ou tenta esconder, que o ouro no futebol, que na prática não se diferencia em nada do ouro conquistado pelas atletas da Vela, vôlei de praia, quadra e etc, é muito mais valorizado na cultura do esporte no país. O chamado espírito olímpico, como se vê, só funciona na propaganda.

O título do futebol do Brasil, inédito, foi conquistado na última cobrança de pênalti, convertida por Neymar. O jogador, após a consagração do gol, foi a arquibancada onde bateu boca com torcedor que pedia raça e empenho ao grupo. Na cabeça Neymar carregava uma faixa onde se lia “100% Jesus”, o que é condenado pelo COI.




O valor que cada um dos 18 integrantes da equipe receberá da CBF (e não do COB) é 14 vezes maior do que a premiação dada pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil) aos medalhistas das outras modalidades.

No início dos Jogos, o COB determinou que todos os atletas que subissem ao pódio em competições individuais, independentemente da cor da medalha, receberiam R$ 35 mil. O “bicho” aos jogadores para as conquistas em esportes coletivos seria a metade, R$ 17,5 mil.

Além da premiação do COB, os atletas também ganham dinheiro das confederações de suas modalidades.

Dono de três medalhas na Rio-2016, o canoísta baiano Isaquias Queiroz vai receber ao longo de um ano R$ 132 mil da CBCa (Confederação Brasileira de Canoagem) como prêmio.

O Brasil terminou a Olimpíada com 19 medalhas, sendo sete de ouro, seis de prata e seis de bronze. O desempenho ficou abaixo do planejado inicialmente, mas foi o maior já obtido pelo Brasil.

Segundo o site Uol, nos Jogos de Londres-2012, a CBF prometera pagar US$ 100 mil (cerca de R$ 320 mil, em valores atuais) pelo ouro. Como ficaram com a prata, os atletas não receberam nada.

A CBF declarou ter obtido um lucro de R$ 72 milhões no ano passado, 42% acima dos R$ 51 milhões registrados em 2014. Esse é o terceiro maior resultado positivo da entidade. O faturamento em 2015 também foi um recorde, R$ 584 milhões.

(Conexão Jornalismo)