Andréa Neves entrará na campanha de João Leite (PSDB), já que o irmão não mora em Minas Gerais

Para tentar melhorar o desempenho do candidato do PSDB à Prefeitura de Belo Horizonte, João Leite, nas pesquisas de intenções de voto e impedir uma derrota no segundo turno, a equipe de campanha do tucano foi reforçada a seis dias das eleições. Andrea Neves – irmã do senador Aécio Neves –, os deputados federais Marcus Pestana e Domingos Sávio e o deputado estadual João Vítor Xavier passaram a participar diretamente da coordenação da campanha, até então nas mãos do ex-governador Alberto Pinto Coelho (PP). Oficialmente, eles teriam sido chamados pelo próprio ex-governador e por João Leite para agirem em áreas estratégicas, com o objetivo de mostrar “as mentiras” supostamente ditas pelo adversário, Alexandre Kalil (PHS).




Em 2014, na campanha pelo governo de Minas, faltando pouco mais de um mês para a eleição, ocorreu situação semelhante. Andrea Neves foi retirada da coordenação da campanha de Aécio ao Planalto para tentar salvar a do então candidato ao governo do Estado Pimenta da Veiga. Na época, o tucano aparecia 15 pontos percentuais atrás de Fernando Pimentel (PT). Ao final da campanha, a diferença diminuiu, mas o petista venceu no primeiro turno.

Segundo Marcus Pestana, a equipe de João Leite continua a mesma, mas, após o feriado do dia 12 de outubro, esses quadros políticos foram convidados para reforçar a campanha. O deputado ainda explicou que ele é um dos responsáveis pela preparação do candidato para o debate; Andrea contribui para as propagandas eleitorais; e o presidente do PSDB de Minas, Domingos Sávio, estaria encarregado da mobilização de políticos e partidos aliados.

Ele ainda diz que o tom mais agressivo da campanha nos debates e nos programas eleitorais é para mostrar os fatos. “Uma coisa é calúnia, difamação, agressão gratuita. Nós estamos revelando para a população fatos irrefutáveis (sobre Kalil): a dívida do IPTU, do FGTS, do INSS, a declaração preconceituosa contra a mulher e contra os religiosos. Tudo são fatos, não são agressões gratuitas. O Mário Covas, nosso grande líder, dizia: ‘O povo nunca erra, o que pode faltar são as informações corretas para ele’. Nós temos o dever pedagógico de difundir as informações para que ninguém vote enganado”, afirmou.

Pestana ainda alfinetou a campanha de Kalil, dizendo que eles provocaram e agora vão ver o que é uma “condução (de campanha) de profissionais”. “O Kalil é um baú inesgotável de surpresas desagradáveis para ele mesmo. Nunca vi um candidato tão frágil assim”, disparou.

Domingos Sávio, por sua vez, diz acreditar que é natural que a eleição se defina na última semana, e que as pessoas podem mudar de voto dependendo das informações que recebem. Por isso, segundo ele, “é muito importante os eleitores conhecerem a verdade sobre Kalil”.

“Como ele não tinha nada para falar sobre o João, ele falou que o João é a velha política e tudo o que é ruim está ali. Só que alguém tinha que mostrar quem é o verdadeiro Kalil, sem falar uma mentira. Tanto que não tivemos nenhum problema com a Justiça Eleitoral, ele não teve nenhum direito de resposta nos debates porque o João não falou nenhuma mentira”, afirmou Domingos Sávio. Segundo Sávio, nos próximos dias a campanha irá tratar de propostas.

O deputado disse que sempre esteve na equipe e que ajuda não só no planejamento estratégico, mas também em reuniões de base. Ele diz que Andrea Neves está mais dedicada à campanha agora porque, no primeiro turno, não ficou exclusivamente em Belo Horizonte.

O deputado estadual João Vítor Xavier também afirma que não é coordenador, mas que sempre contribuiu e continua ajudando: “Trabalho na parte da mobilização política, com aliados, lideranças comunitárias, pessoas que queiram colaborar com a campanha”. Andrea Neves não foi encontrada para se manifestar. A coligação Juntos por BH declarou: “O PSDB conta com diversos quadros que participam voluntariamente da campanha desde o início.”

Leia mais no O Tempo.


Leia mais