Investigados pouco se importam com a Lava Jato e afirmam serem candidatos nas próximas eleições

Deputados e senadores alvos da Lava Jato dizem duvidar que sofrerão processo de cassação e planejam continuar na vida pública.

A Folha procurou, ao longo da última semana, os 84 congressistas investigados na operação com base em pedidos feitos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, nas duas listas que encaminhou ao Supremo Tribunal Federal –em março de 2015 e em março deste ano.




“Estou há dois anos e dois meses esperando meu processo ser arquivado. O cara [o doleiro Alberto Youssef] diz que me deu [propina], eu já provei que não deu. Fui 24 vezes na Procuradoria, estive oito vezes com Janot e não consigo tirar meu nome desse negócio”, reclama Luiz Carlos Heinze (PP-RS).

“Nem que a vaca tussa, medo nenhum [de processo de cassação]. Primeiro, não cometi crime. Segundo, quem não deve não teme. Se o apelido do Lula na Odebrecht era ‘amigo’ e o meu era ‘inimigo’, isso já é autoexplicativo”, diz Onyx Lorenzoni (DEM-RS), investigado porque aparece na delação da Odebrecht como destinatário de R$ 175 mil de caixa dois em 2006.

Ex-presidente do Senado e tendo escapado de processos de cassação na década passada em decorrência da acusação de que foi beneficiado com dinheiro da empreiteira Mendes Júnior, Renan Calheiros (AL) também minimiza o risco de enfrentar novamente o Conselho de Ética.

“Eu estou sendo investigado pela interpretação, pelo ‘ouvi dizer’. Há evidente falta de provas”, afirmou o alvo de 17 inquéritos na Lava Jato.

Alguns parlamentares reagiram em tom ríspido: “É descabida [a pergunta], estamos em um fase de inquérito, que sequer se transformou em denúncia. Essa pergunta não tem fundamento nenhum”, disse o senador Eduardo Braga (PMDB-AM).

Ao todo, 54 deputados e senadores disseram não acreditar que serão alvos de processo de cassação. Outros 30 não quiseram se manifestar.

Leia a matéria completa na Folha de São Paulo.