Indústria pede socorro, mas governo Temer-PSDB insiste no rentismo

Benjamin Steinbruch – Nunca a frase célebre de Tom Jobim “O Brasil não é para principiantes” foi tão adequada para o país. A crise econômica atual não deixa espaço para amadorismos. Exige um combate feroz, profissional e técnico.

Os dados do desemprego são assustadores, não se pode brincar com eles. Saíram em meio às festas de fim de ano e não foram tratados com seriedade. O país perdeu em 12 meses, até novembro, quase 2 milhões de vagas e tem 12,1 milhões de pessoas sem trabalho, sobrevivendo só Deus sabe como.

Chama a atenção um detalhe importantíssimo dessa estatística: do total das vagas perdidas, 1,026 milhão de empregos desapareceu na indústria.




Isso é reflexo da recessão e principalmente do processo acelerado de desindustrialização vivido pelo país, com o fechamento de empresas e redução de produção.

Costuma-se considerar essa tendência como natural, pela qual passaram todos os países desenvolvidos. A desindustrialização é uma espécie de etapa seguinte ao ápice do processo de industrialização, com a transferência de trabalhadores do setor industrial para o de serviços.

Uma excelente “Carta do Iedi”, publicada no fim do ano, mostra o Brasil envolvido em um processo de “desindustrialização prematura”, semelhante ao de outros países da América Latina, como Argentina, Chile e mesmo México.

Com base em dois trabalhos, da Cepal e da Unctad, a “Carta” observa que os países hoje desenvolvidos começaram a dar sinais de desindustrialização quando suas rendas per capita atingiram entre US$ 10 mil e US$ 15 mil, enquanto no Brasil isso se deu, nas últimas décadas, quando a renda atingiu pouco mais de US$ 5.000. Ou seja, antes de a industrialização atingir o seu ápice.

Além, disso, diferentemente do que ocorreu em países desenvolvidos, a mudança estrutural se dá para serviços de baixa produtividade, como as áreas de produtos naturais, e não para alta tecnologia. Isso explicaria o fraco crescimento do Brasil e de outros países latino-americanos nas últimas décadas.

Segundo a Unctad, desde a Revolução Industrial, nenhum país alcançou a transformação da pobreza rural em prosperidade industrial sem fazer uso de política industrial.




Não se pode, portanto, cair no canto da sereia de que o processo de desindustrialização vivido no país é natural. É ingênuo achar que o setor pode se recuperar sem apoio de políticas industriais. Mesmo em períodos recentes, constata a Unctad, quando se difundiu a ideia de que a política industrial era fonte de distorção do mercado, os países desenvolvidos continuaram usando políticas especiais para acelerar ou aprofundar suas trajetórias de industrialização.

Infelizmente, a indústria terminou 2016 muito mal. Houve um crescimento discreto de 0,2% em novembro sobre outubro, mas a queda de produção no ano atingiu 7,1%. Esse número, somado à queda de 8,3% de 2015, indica uma retração da ordem de 15% em dois anos.

A indústria brasileira precisa de socorro, sem preconceitos: apoio à acumulação de capital, acesso a crédito com juros civilizados, programas de compras governamentais, políticas macroeconômicas e fiscais estimuladoras de crescimento, taxas de câmbio que deem competitividade à produção e escolha de setores com prioridades e sob controle de desempenho.

Não há outro caminho. Entregue à própria sorte e sob a patrulha neoliberal, a indústria continuará com a sensação estampada em outra frase de Jobim, com Vinícius: “Tristeza não tem fim…”.

Folha de São Paulo


Leia mais