Fascistas procuram confusão e marcam ‘carnacoxinha’ no mesmo dia da Marcha da Consiência Negra

É fundamental a mobilização do maior número possível de negras, negros e da população que defende os valores dos direitos humanos e da democracia, para estarem presentes nesse domingo, dia 20 de Novembro, a partir das 11h da manhã, mas em especial a partir das 14h, no Vão Livre do Masp, na Avenida Paulista em São Paulo, na Marcha da Consciência Negra.

Em completo desrespeito à tradição e ao simbolismo da celebração do dia nacional da consciência negra, os movimentos de direita ‘Vem Pra Rua’ e ‘MBL’ convocaram um ato e um congresso para a mesma data, horário e local em que se realizará a Marcha da Consciência Negra, em São Paulo.

O Movimento Vem Pra Rua, em sua página com mais de 1 milhão e 400 mil seguidores, está convocando um Ato “em apoio a operação lava jato e às 10 medidas contra a corrupção” para o dia 20 de Novembro, às 15h, no vão livre do MASP, na Avenida Paulista, mesmo local e horário da saída da 13a. Marcha da Consciência Negra, convocada pelo movimento negro.




Neste mesmo final de semana, o MBL – Movimento Brasil Livre, promove em um Hotel da Alameda Santos, há duas quadras do MASP, o seu Congresso Nacional, que deverá apresentar sua bancada de vereadores neo-liberais aos seus seguidores, bem como contar com a presença das estrelas da direita reacionária e racista brasileira, entre eles o ministro do STF Gilmar Mendes, o Secretário de Educação Mendonça Filho, o prefeito eleito de SP João Dória Junior, a advogada Janaína Pascoal e o colunista Reinaldo Azevedo. Só gente boa…

PAUTAS RACISTAS E RISCO DE CONFRONTO

Tanto o ‘Vem Pra Rua’ quanto o ‘MBL’ mobilizam desde a parte mais hipócrita da classe média alta, batedores de panelas e jovens desinformados, até setores mais retrógrados que chegam a pedir intervenção militar no país, com participação já comprovadas de fascistas e neo-nazistas. Eles também se destacam pela forma desavergonhada e até violenta com que expõe seu racismo e sua homofobia, tanto na defesa política que fazem pelo fim de políticas sociais como bolsa família, prouni, mais médicos, cotas raciais, direitos LGBTs, etc, quanto no trato com os seus funcionários e no cotidiano de suas relações, em especial em momentos de encontros como o que deve se dar no Masp neste domingo.

Entre as chamadas feitas para o Ato, uma delas faz alusão ao fato de o ex-presidente Lula ter entrado com pedido de prisão contra Sérgio Moro, conforme ilustração abaixo.

Os advogados de Lula acusam Moro de abuso de autoridade e conduta irregular nos episódios da condução coercitiva, busca e apreensão de documentos em sua residência e de familiares e interceptação telefônica ilegal.

Leia mais na coluna do Negro Belchior.


Leia mais