Haddad deporá sobre suposto pedido de propina por promotor para não prosseguir com ação

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad deporá nesta terça-feira (13), às 14h, à Corregedoria-Geral do Ministério Público sobre sua declaração de que o promotor de Justiça Marcelo Milani teria supostamente pedido propina de R$ 1 milhão para não ingressar com ação judicial contra a lei que permitia à Prefeitura emitir R$ 420 milhões em títulos chamados CIDs (Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento), que ajudaram o Corinthians a viabilizar a construção da Arena em Itaquera. A afirmação foi feita em texto publicado no site da revista “Piauí”.




No texto, Haddad diz que no último ano de seu mandato ficou sabendo “de um suposto incidente gravíssimo envolvendo o promotor de Justiça Marcelo Milani”.

“Fui informado de que, para não ingressar com a ação judicial, o promotor teria pedido propina de R$ 1 milhão”. “Não me restava alternativa como agente público senão levar o fato relatado ao conhecimento da Corregedoria-Geral do Ministério Público, para que fosse devidamente apurado”.

Em 2012, Milani entrou com ação judicial por improbidade administrativa contra o então prefeito Gilberto Kassab, o Corinthians e a construtora Odebrecht. Os três foram acusados de uso irregular de incentivos fiscais para financiar o empreendimento. A ação, arquivada em 2015, pedia que o ex-prefeito, o clube e a empreiteira pagassem indenização de R$ 1,7 bilhão aos cofres públicos.

Leia mais na Folha de São Paulo.