Governo Temer-PSDB anuncia mais cortes e aumentos de impostos para os ‘patos’

Com a confirmação da nova previsão de crescimento do PIB, medidas terão que ser adotadas para o cumprimento da meta fiscal. Uma delas será um corte nos gastos previstos no orçamento deste ano e que vai ser anunciado ainda nesta quarta. Outra pode ser o aumento de impostos.

Isso é necessário porque o orçamento de 2017 foi feito com base em uma alta de 1,6% do PIB em 2017. Com o crescimento mais tímido, a arrecadação do governo com impostos e tributos também deve ser menor.




Com a arrecadação mais baixa, fica mais difícil para o governo conseguir cumprir a meta fiscal fixada para este ano, que é de déficit (despesas maiores do que receitas) de até R$ 139 bilhões. Essa conta não inclui os gastos com o pagamento de juros da dívida pública.

Na terça, interlocutores do governo ouvidos pelo G1 avaliaram que o bloqueio poderia ficar entre R$ 40 bilhões e R$ 65 bilhões. Entretanto, há informações divulgadas na imprensa dando conta de que esse valor pode ser menor.

O secretário de Política Econômica avaliou que também haverá impacto da liberação das contas inativas do FGTS no crescimento deste ano. Segundo ele, a liberação dos recursos é “essencial” para a expansão da economia, mas, mesmo sem essa injeção, o país voltaria a crescer em 2017.

Ele estimou que metade dos recursos liberados, que vão de R$ 35 bilhões a R$ 40 bilhões, devem ser gastos pela população em consumo.

Também contribuem para o retorno do crescimento, em 2017, o bom desempenho da agricultura e a volta da confiança das empresas e da população na melhora das contas públicas, acrescentou Kanczuk.

Alta de tributos

Na terça (21), o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que não está afastada a possibilidade de ser anunciado aumento de tributos para elevar a arrecadação do governo, o que também ajudaria no esforço para cumprir a meta fiscal.

“Será uma combinação possível: o que é de corte, agora e, se necessário, de aumento de imposto”, afirmou o ministro da Fazenda.

Leia mais no G1.