Governador da Paraíba sofre represália de Temer por ter se posicionado contra o Golpe de 2016

O Palácio do Planalto avisou ao governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, que o presidente Michel Temer não vai poder recebê-lo, como o chefe do executivo paraibano pediu em ofício endereçado ao peemedebista. A solicitação de audiência por escrito foi feita em 24 de outubro, inclusive com a informação dos temas a serem tratados. Por telefone, a assessoria do Planalto alegou excesso de compromissos de Temer. Dissidente no PSB, Coutinho foi contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, processo que levou Temer à Presidência da República.

Mesmo sendo do PSB, partido que faz parte da base de apoio parlamentar a Temer no Congresso, com indicação até de ministros de Estado, Coutinho não conseguiu saber quando o presidente poderá recebê-lo. O governador tinha solicitado uma conversa para solicitar o repasse da parte federal de obras feitas em parceria com o governo estadual, a autorização do ministério da Fazenda para a conclusão do empréstimo já assinado com o Banco do Brasil, ainda na gestão Dilma, e a possibilidade de novos investimentos da União no Estado.




“Não solicitei audiência pessoal. Os assuntos a serem tratados são de interesse do Estado numa relação que se exige republicana e federalista”, disse Coutinho. “Lamento o estreitamento da republicanidade no país”, acrescentou.

Coutinho diz que não se sente discriminado, mas lembra que a negativa da audiência pode ter tido interferência de seus adversários políticos. “Sei o quanto está contando, no Brasil de hoje, a interferência de adversários locais que perderam as eleição na Paraíba e no Brasil, e que hoje semeiam intrigas com o intuito de sabotar os interesses do povo paraibano”, disse Coutinho.

Na “solicitação de audiência” com Temer (reprodução ao lado), Coutinho registra resumidamente os dois tópicos a serem debatidos em uma eventual reunião. O governador queria discutir “algumas pendências de ordem financeira atinentes a pagamentos de obras e ações executadas em parceria entre o Governo do Estado da Paraíba e a União, e que, pelo não atendimento dos compromissos firmados, estão comprometendo a conclusão dos projetos em curso”; e “possibilidades de novos investimentos, sejam em parcerias com a União, seja com financiamentos dentro da capacidade do estado”.

Via Congresso em Foco


Leia mais