Gleisi Hoffmann: Retrocessos no governo Temer não param

O Governo ilegítimo e golpista continua implementando um programa que não é de interesse da maioria dos trabalhadores brasileiros. É um governo que quer flexibilizar a CLT, acabar com os direitos trabalhistas, quer mexer na aposentadoria impondo a idade mínima de 70 anos, desvincular os recursos da saúde e da educação, que acabou com ministérios importantes. Enfim, é um governo que privilegia o pagamento de juros e não os programas sociais.

Na Educação, além de reduzir recursos, o governo confirmou o fim do Ciências Sem Fronteiras para alunos da graduação. Desde que esse programa começou, em 2011, já mandou mais de 100 mil alunos de graduação e pós-graduação para universidades no exterior. Assim como a China, os Estados Unidos, a Índia e tantos outros países, nós estamos enviando os nossos estudantes para se formarem nas melhores escolas do mundo. E eu não tenho dúvidas de que isso vai fazer a diferença na qualidade e na formação do Brasil. Ao voltarem, esses jovens vão trazer novas ideias e experiências que devem tornar mais modernos o ensino e a pesquisa no país, contribuindo para que o Brasil dê um salto na educação.

Só que os retrocessos não param por aí. O governo Temer também acabou com o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec); com o Pacto pela Alfabetização na Idade Certa; cortou, este ano, 90 mil bolsas do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies); e ameaça alterar o modelo de partilha do pré-sal, substituindo pelo modelo de concessão e com isso reduzindo os recursos do Fundo Social (75% para educação), nosso passaporte para o futuro. Essas iniciativas fazem parte da estratégia do governo ilegítimo para privatizar a Educação universitária pública e gratuita no Brasil. É repugnante ouvir os representantes do governo golpista e os articuladores midiáticos criticando os programas sociais e defendendo o fim do ensino superior público no país.

Todo o esforço que os governos Lula e Dilma fizeram nos últimos 13 anos para democratizar o ensino pode ir por água abaixo. Seria um retrocesso sem precedentes, pois só a educação liberta um povo e lhe abre as portas de um futuro próspero.

Está cada vez mais claro que foi para isso que fizeram o processo de impeachment. Para fazer o desmonte do estado de bem-estar social que nós conquistamos nos últimos anos. Mais do que nunca, vamos lutar para manter todos os direitos conquistados!

Gleisi Hoffmann é senadora e presidenta da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal.