Gleisi Hoffmann: A força do PT e a esperança do povo brasileiro

Depois de realizarmos com grande sucesso o nosso 6º Congresso Nacional, em junho deste ano, saímos agora dos encontros setoriais do Partido dos Trabalhadores (PT) com energia renovada e também com a certeza e a responsabilidade de saber que novamente é no PT que o povo deposita sua esperança de mudar a realidade. Para revogar os retrocessos promovidos pelo golpe de estado no Brasil, os sucessivos ataques à soberania nacional e para apontar soluções democráticas e participativas, capazes de superar as adversidades da economia, as fragilidades da política e o aumento da violência no mundo.




São nos encontros setoriais nacionais do PT que delegadas e delegados de todos os estados brasileiros debatem temas específicos das lutas populares, dos movimentos sociais e também elaboram propostas de políticas públicas que fortalecem a intervenção partidária nos espaços ocupados pela militância do PT. Dos conselhos gestores aos mandatos legislativos e governos petistas.

Nos dias 21 e 22 de outubro, o PT nacional, através das secretarias de Organização e de Movimentos Populares, promoveu em São Paulo a reunião de 20 setoriais temáticos. Somados ao encontro nacional das mulheres, no dia 8 de outubro em Brasília, tivemos mais de 2.000 delegadas e delegados reunidos neste mês para construir, formular e qualificar nossa militância a fim de fortalecer as lutas populares.

Temos raízes fincadas nos movimentos sociais e não é à toa que o PT detém mais de 22% da preferência popular, de acordo com as recentes pesquisas de opinião. O Presidente Lula, nossa estrela maior, que parte agora em caravana pelo interior de Minas Gerais, concentra quase 40% das intenções de voto para a Presidência da República, vencendo a disputa em todos os cenários, caso as eleições fossem hoje. Novas filiações também aumentam a cada dia junto aos diretórios locais do PT e pela internet. Somos mais de 1,8 milhão de petistas em todo o País.




São essa força e energia que usaremos para, junto com o povo brasileiro, combater os retrocessos impostos por este governo golpista ao País. Nesta semana, é prioridade a mobilização de todos os setores progressistas e populares para pressionar a Câmara Federal a aceitar a denúncia contra Temer. Esse presidente, que tanto atrasa o Brasil, não pode continuar. Tão pouco pode continuar no seu lugar outro golpista comprometido com os retrocessos, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Por isso, é importante também que o Supremo Tribunal Federal (STF) cumpra sua função e julgue já a ação que pede a anulação do impeachment. Reconduzir ao cargo a presidenta legitimamente eleita é garantia de fortalecimento da nossa democracia e um impedimento para que os retrocessos continuem no Brasil.

A Comissão Executiva Nacional do Partido, que se reuniu antes da realização dos encontros setoriais, também decidiu que é urgente e necessário revogar a infame portaria do trabalho escravo. Nossa bancada no Senado Federal apresentou um projeto de resolução para que isso aconteça e precisa de todo apoio popular para fazer com que o projeto tramite nas comissões da Casa. Essa é uma semana decisiva para o apoiamento, que pode ser dado através do site www.senado.leg.br, no link https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=131238. É uma vergonha este tema fazer parte da nossa pauta política.




Temos previsto ainda, para os próximos dias, o primeiro leilão de poços do pré-sal sob a nova legislação, que é uma declaração de entreguismo revoltante.

Porque além de entregar essa grande fonte de riquezas para a Nação, que é o petróleo extraído das reservas no pré-sal, abrindo mão da fatia maior de exploração, esse governo que está aí garante isenção de impostos às empresas estrangeiras. Faz uma gestão temerária e entreguista do patrimônio do povo brasileiro, promotora de uma tremenda expropriação da nossa capacidade de recuperação e de crescimento.

Estas são lutas essenciais para a soberania, democracia e justiça social no Brasil. Fazê-las é dever de um partido grande, dinâmico e de massas como o PT. Um partido vivo e atuante, com raízes fincadas nos movimentos sociais e populares, que não precisa mudar de nome porque tem clareza da causa que o alimenta. Partido que tem compromisso com a maioria pobre do povo brasileiro.

Gleisi Hoffmann é senadora e presidenta nacional do PT.