Início Notícias Ex-governador tucano é alvo de operação da PF

Ex-governador tucano é alvo de operação da PF

A Superintendência Regional da Polícia Federal realiza na manhã desta quinta-feira (30), a operação intitulada Caribdis. No total, estão sendo cumpridos 11 mandados de busca e apreensão expedidos pela 2ª Vara Federal de alagoas, em Maceió, Região Metropolitana além de Salvador, Limeira, em São Paulo e Brasília.




Segundo a PF, as fraudes concentram mais especificamente nos lotes de números 3 e 4 do Canal do Sertão, ambos licitados pelo governo de Alagoas, durante os anos de 2009 e 2014. Dentre os investigados estão o ex-governador Teotônio Vilela (PSDB) e o secretário de Infraestrutura do Estado à época, Marco Fireman, além de outros indivíduos ligados às citadas empresas e órgãos públicos.

Em Alagoas, os madados estão sendo cumpridos na casa do ex-governador Teotônio Vilena, em Maceió, no bairro da Ponta Verde, e do ex-secretário Marco Fireman, no condomínio Laguna, em Marechal Deodoro.

A ação tem objetivo de complementar provas colhidas inquérito policial instaurado com a finalidade de apurar a suposta prática dos crimes de fraude a licitação, desvio de verbas públicas (peculato), corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa, todos relacionados à obra do Canal do Sertão.




O Canal do Sertão é uma obra hídrica tem como objetivo minimizar os efeitos da seca e promover o desenvolvimento socioeconômico das regiões do semiárido, beneficiando milhares de pessoas. A obra está inserida no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal

O Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a Polícia Federal a utilizar provas decorrentes de colaborações premiadas de pessoas relacionadas à Construtora Norberto Odebrecht. A elas se somaram relatórios do Tribunal de Contas da União, constatando sobrepreço em contrato firmado entre o governo de Alagoas e a referida empresa no montante de R$ 33.931.699,46.

A PF apurou durante a investigação que também houve acordo para a divisão dos lotes da obra com a Construtora OAS.

Todo o material arrecadado será encaminhado à Superintendência da PF em Alagoas, onde será analisado. A soma das penas máximas atribuídas aos delitos citados pode chegar a 46 anos de prisão.

Os detalhes da operação serão apresentados em entrevista coletiva na manhã desta quinta, na sede da PF, no bairro de Jaraguá, em Maceió.

Via G1


Leia também

MP-SP abre inquérito contra Alckmin por improbidade administrativa

Ministério Público de São Paulo abriu nesta sexta-feira (20) um inquérito civil para inves…