Em país de Temer e cia, ladrão é quem não paga propina acertada

O corretor Lúcio Bolonha Funaro, delator da Lava Jato, chamou o empresário Joesley Batista –dono da holding J&F, controladora da JBS– de “ladrão” por dar um “tombo” nele próprio, no ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e no ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) ao não pagar parte das propinas referentes investimentos da Caixa. Os quatro estão presos, acusados de desviar dinheiro em esquemas de corrupção.




Funaro depôs nesta terça-feira (31) como réu de ação penal que trata dos desvios no banco. Ele passou mais de três horas respondendo a perguntas da defesa de Cunha, também acusado na ação e presente à audiência.

O corretor admitiu em sua colaboração que atuava como operador do PMDB, cobrando comissões de empresas para que a cúpula do banco, aparelhada politicamente, aprovasse investimentos bilionários.

Ele disse que Joesley tinha com ele e o grupo de Cunha um acerto para pagar 3% em todas as operações do banco em favor da J&F. Mas a comissão não foi depositada quando R$ 2,7 bilhões foram liberados para que a holding comprasse a Alpargatas, dona da marca Havaianas.

“Se ele fosse me pagar o que me roubou, porque ele é um ladrão, seriam R$ 81 milhões. Ele roubou de mim, do deputado Eduardo Cunha, do [ex-ministro] Geddel Vieira Lima, só de Alpargatas, seriam R$ 81 milhões”, reclamou Funaro.

Leia mais na Folha de São Paulo.