Em 2009, Rio foi escolhido pelo reconhecimento de que o Brasil estava mudando

No dia 2 de outubro de 2009, em Copenhague, o Comitê Olímpico escolheu o Rio para sediar os Jogos 2016. A delegação brasileira, chefiada pelo ex-presidente Lula, festejou com emoção a vitória sobre as fortes concorrentes: Chicago, Tóquio e Madri. Pela primeira vez um país sul-americano iria sediar as Olimpíadas. Um país que estava vencendo a fome e a desigualdade, gerando empregos e distribuindo renda na plena vigência da democracia.

A emoção daquele momento está registrada no vídeo da GloboNews:

A conquista da sede olímpica pelo Rio foi também o reconhecimento de que o Brasil estava passando por grandes transformações – econômicas, políticas e sociais. Ao lado de estrelas do esporte como Pelé, Hortência, Isabel e Guga, e do escritor Paulo Coelho, Lula definiu o que aquele momento representava:

“Hoje o Brasil saiu do patamar de país de segunda classe e entrou no patamar de país de primeira classe”, disse o ex-presidente. “O Brasil provou ao mundo que nós conquistamos cidadania internacional absoluta”.

Durante sete anos, o governo Lula e o governo da presidenta Dilma Rousseff trabalharam com o governo estadual e a prefeitura do Rio para garantir a conclusão das obras olímpicas, de infraestrutura, de comunicações, mobilidade e segurança necessárias para o sucesso da Rio 2016.

“Os que pensam que o Brasil não tem condições vão se surpreender.

Os mesmos que pensavam que nós não tínhamos condições de governar este país com a capacidade deste país de realizar uma Olimpíada”, afirmou Lula em Copenhague. E agora o espetáculo está começando.

O povo brasileiro provou, sim, do que é capaz.

Hoje vivemos um momento político muito distinto daquele de 2009 – com a democracia e as conquistas sociais ameaçadas por um golpe de estado parlamentar. O país vive sob um governo provisório que planeja entregar nossas riquezas – a começar pelo pré-sal – e levar o Brasil de volta ao segundo time.

O povo brasileiro, que já superou golpes e ditaduras ao longo da história, vai certamente retomar o caminho do desenvolvimento com inclusão social, o caminho da democracia plena em um país com oportunidades para todos.

(lula.com.br)