Eleitores de Geraldo Alckmin são os que mais aprovam Michel Temer

Sair na foto com Temer, hoje, não ajuda nenhum dos pré-candidatos à Presidência. Segundo a última pesquisa Datafolha, 87% dos eleitores dizem não votar em um candidato apoiado por Michel Temer (PMDB).




O percentual é ligeiramente menor no caso de Geraldo Alckmin (PSDB): 75% dos entrevistados pelo instituto afirmam rejeitar o tucano nas urnas se Temer for seu cabo eleitoral.

O PSDB, até então aliado do peemedebista, começou a desembarcar do governo nas últimas semanas. Porém, segundo Folha informou no sábado (2), algumas das principais lideranças da base de temer já consideram Alckmin o candidato da situação nas eleições de 2018, com o apoio do Planalto.

Também no sábado, Temer e Alckmin tentaram passar o recado de que a separação entre PSDB e PMDB não será litigiosa. Os dois entregaram moradias populares em Limeira, no interior de São Paulo, e disseram a jornalistas que a ruptura será “cortês e elegante”, com “entendimento”.




O eleitor de Alckmin é mais amigável a Temer do que a média nacional e do que quem diz preferir os outros pré-candidatos à Presidência.

Enquanto 71% dos brasileiros avaliam a gestão do peemedebista como ruim ou péssima, esse percentual cai para 46% entre os que declararam a intenção de votar no tucano.

A aprovação a Temer está em 5% (ótimo ou bom) da população, índice que dobra entre os alckmistas: 13%. Avaliaram o governo como regular 23% dos brasileiros e 38% dos possíveis eleitores do governador paulista.

Quem declara preferência por Bolsonaro, Marina e Ciro Gomes —este último, com patamar de intenção de voto semelhante ao de Alckmin (6%)— tem impressão semelhante do governo Temer.

O governo do presidente é ótimo para 5% dos eleitores desses três pré-candidatos, regular entre 26% e 28% e péssimo entre 67% e 69%.

A diferença está dentro da margem de erro da pesquisa Datafolha, de dois pontos percentuais. O instituto ouviu 2.765 pessoas entre 29 e 30 de novembro, em 192 cidades.

Quem apoia o ex-presidente Lula é também quem pior avalia o peemedebista: 81% acham péssimo, 15% regular e 3%, ótimo.

Leia mais na Folha de São Paulo.