Eleição norte-americana terá recontagem de votos; Wisconsin é o primeiro Estado a realizar o procedimento

A recontagem dos votos das eleições presidenciais dos EUA em Wisconsin começou nesta quinta-feira, com os funcionários eleitorais tendo que cumprir um prazo de 12 dias para a divulgação dos resultados.

O processo de recontagem foi desencadeado após um pedido apresentado pela candidata do Partido Verde à presidência, Jill Stein, que, aconselhada por técnicos de informática, alegou que as urnas eletrônicas poderiam ter sido adulteradas. Stein pressionou para que as cédulas fossem contadas à mão, mas perdeu no processo que obrigava todos os municípios do estado a usarem esse método.




Stein também protocolou pedidos de recontagem em Michigan e uma audiência na Pensilvânia marcada para a próxima segunda-feira deve decidir se o processo pode ser iniciado no estado. Nos três estados, havia um histórico de voto no Partido Democrata; no entanto, o presidente eleito dos EUA, Donald Trump, acabou vencendo.

A recontagem em Wisconsin deve custar cerca de US$ 3,9 milhões, enquanto Stein pagou outros US$ 973.250 para a recontagem em Michigan. Na segunda-feira, ela entrou com um pedido para forçar recontagem na Pensilvânia.
Dow Jones Newswires e Associated Press