Vale processa vítimas do rompimento de barragem em Mariana por protestarem contra a Samarco

Rafaella Dotta – Brasil de Fato:


A mineradora Vale S.A. deu entrada a processos contra 13 pessoas atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana. Os processados são acusados de organizar manifestações contra a Samarco. Os protestos aconteceram em março e abril deste ano, quando famílias das cidades de Belo Oriente (MG), Aimorés (MG) e Mascarenhas (ES) trancaram a ferrovia de minério da empresa Vale S.A. 

Em Belo Oriente, no distrito de Perpétuo Socorro, os atingidos pediam solução de problemas com a água. Desde o rompimento da barragem, alguns bairros chegam a passar cinco dias da semana sem água, segundo Guilherme Camponêz, do Movimento de Atingidos por Barragens (MAB).




“Fizemos várias reuniões, mas a Samarco e a Vale não solucionavam o problema”, explica Camponêz. O fechamento da ferrovia de minério aconteceu em 7 de março e em 14 abril, resultando em dois processos. Já em Aimorés o fechamento da ferrovia aconteceu em 12 de abril e durou cerca de 10 horas. Os atingidos desocuparam o local logo depois da chegada da Polícia Militar.

Na cidade de Baixo Guandu (ES), onde os atingidos ocuparam a linha férrea seis vezes, a reivindicação era de que a Samarco levasse em conta o número real de atingidos. Pelo menos 800 pessoas moram na comunidade de Mascarenhas, todas com relação direta com a pesca no Rio Doce, mas apenas 22 pessoas recebiam o cartão de reparação financeira. Depois das ocupações o número aumentou para 300 pessoas. No entanto, oito atingidos estão sendo processados.

“A empresa tenta diminuir o número de atingidos e de indenizações”, denuncia Guilherme Camponêz. Ele, que é um dos citados no processo de Aimorés, afirma que o fechamento da ferrovia aconteceu como último recurso, devido à revolta da população com a Samarco.

Os processos estão sendo movidos pela mineradora Vale S.A., proprietária da Samarco. A assessoria de imprensa da empresa afirma que não comenta processos judiciais em andamento. 

DENÚNCIA

O Ministério Público Federal em Minas Gerais denunciou 22 pessoas e 4 empresas pelo rompimento da Barragem de Fundão, da Samarco. Dentre as denúncias, 21 pessoas são acusadas de homicídio qualificado com dolo eventual – quando se assume o risco de matar. Os procuradores da República apresentaram a conclusão das investigações nesta quinta-feira (20), em Belo Horizonte.


Leia mais