Dono da bicicleta condena torturador fascista: ‘Não precisava fazer uma barbaridade dessas’

O ambulante Ademilson de Oliveira, de 31 anos, dono da bicicleta que seria pivô da agressão ao adolescente que teve a testa tatuada em uma pensão em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, condenou a atitude do tatuador e seu comparsa. “Não consegui dormir pensando nisso. Fui dormir com medo, meu coração apertado, chorei nessa noite”, afirmou Oliveira, que é deficiente físico e vive de vendas e do dinheiro que pede no semáforo.




O tatuador Maycon Wesley Carvalho dos Reis e o vizinho Ronildo Moreira de Araújo dominaram o adolescente e o amarraram a uma cadeira. Maycon escreveu “Sou ladrão e vacilão” na testa do adolescente. Os dois foram presos em flagrante por tortura nesta sexta-feira (9). Eles podem ser condenados de três a oito anos de prisão.

Dono de bicicleta condena agressores de menino tatuado na testa

Ele contou que não estava no local quando o adolescente de 17 anos foi flagrado pelos agressores mexendo em uma bicicleta. “Quando eu cheguei eles falaram que ele estava tentando roubar minha bicicleta. Fiquei pasmado, estou em choque até agora. Se eu estivesse aqui não teria deixado. Que dessem uns tapas na orelha dele e mandasse embora, ou chamassem a polícia. Não precisava fazer uma barbaridade dessas.”

Segundo Oliveira, a bicicleta está quebrada. “Se pegarem o moleque com isso escrito na cabeça matam o moleque. E a mãe dele, como é que fica?”

Leia mais no G1.