Diretor preso da Polícia do Senado é acusado de cárcere privado para proteger Collor

Camila Mattoso e Rubens Valente – Folha de São Paulo:


Principal alvo da Operação Métis, o diretor da Polícia do Senado, Pedro Ricardo de Carvalho, é acusado por uma agente da Polícia Federal, Andréa Pinho Albuquerque, até de cárcere privado em trabalho para proteger o senador Fernando Collor de Melo.

No dia 14 de julho de 2015, a PF cumpria um mandado de busca e apreensão em um imóvel do parlamentar, como parte da Operação Politeia, quando sete policiais do Senado chegaram ao local minutos depois tentando obstruir a missão –o apartamento estava vazio.

Segundo relato da policial, os agentes legislativos afirmavam que a ação era ilegal, pediam identificação e apresentação do mandado, tentando impedir o prosseguimento da operação.




Em uma das vezes, quando a porta estava fechada, um dos policiais do Senado bateu gritando “é a Polícia!”, como forma de coação.

Ainda de acordo com o depoimento da PF, depois de seguidas perturbações, quando a equipe deixava o apartamento, Carvalho impediu orientou os outros seis colegas para impedir a saída deles do local.

“Fomos surpreendidos pela presença de sete policiais legislativos, que impediam a nossa saída. [O diretor da Polícia do Senado] esbravejava de forma bastante ríspida que a diligência estava eivada de nulidade (…) e determinou aos policiais que não deixassem ninguém sair. Entabulou-se, assim, um bate-boca. Foi então que eu informei que ele estaria praticando cárcere privado e se não permitisse a saída imediata da equipe ser-lhe-ia dada voz de prisão e ele seria encaminhado à sede da Polícia Federal”, diz trecho do relato.

A saída foi, então, permitida. Foram ao menos quatro tentativas de obstrução durante o tempo em que o mandado era cumprido.

Áudios da discussão foram entregues para o coordenador da Operação Politeia, Tiago Delebary, e usados na investigação desta sexta-feira (21).

De acordo com o depoimento de Geraldo César de Deus Oliveira, a ida dos policiais do Senado ao local foi um pedido de Collor para varredura, depois de saber que tinha sido alvo da Lava Jato.


Leia mais