Diretor da Granero inocenta Lula na cara de Sérgio Moro; assista

A Lava Jato alega que o armazenamento do acervo presidencial de Lula é, na verdade, um crime disfarçado.

Os procuradores dizem que a prova disso é o contrato feito pela transportadora Granero, onde os objetos guardados são descritos como “material de escritório”.




Mas o diretor da Granero desmentiu os procuradores quando depôs ao juiz Sergio Moro, assumindo toda a responsabilidade pela redação do contrato. Segundo ele, não há nada de errado com o documento, que é um modelo-padrão usado pela empresa. Ele só não podia imaginar que um dia iriam tentar usar isso contra o ex-presidente Lula.

Via Lula