Dilma dará palestra em Boston sobre os impactos das políticas que vem sendo implementadas após o Golpe de 2016

A presidenta eleita Dilma Rousseff vai proferir uma conferência sobre os desafios e as perspectivas do Brasil, neste sábado, às 13 horas, na Universidade de Harvard, em Boston (EUA), onde ocorre o evento anual Brazil Conference – Harvard – MIT/2017.  O encontro foi idealizado para debater os problemas do Brasil e seu papel no mundo. A conferência reúne, nos dias 7 e 8 de abril, referências no campo político, econômico, jurídico, empresarial, com diversas visões e áreas para refletir em torno dos eixos da imaginação, das fundações, do mundo e das pessoas.

Convidada por Harvard e pelo MIT, Dilma abordará em sua palestra a crise econômica e a democracia no Brasil, e os impactos das políticas que vem sendo implementadas após o Golpe de 2016, que a afastou do governo. A conferência será mediada por Frances Hagopian, cientista político de Harvard, estudioso sobre processos de democratização.




Ela volta a Boston em 22 de abril, quando faz a conferência de abertura da Latin American Conference, também em Harvard. Nesse intervalo, atenderá a convites para diálogos, palestras, entrevistas e conferências em diversas universidades e instituições norte-americanas e internacionais. Dilma ainda manterá contatos com brasileiros que vivem nos Estados Unidos e atuam na denúncia ao golpe parlamentar.

Com diferentes enfoques, pesquisadores e pensadores sediados nos Estados Unidos, como o historiador Sidney Chaloub e o brasilianista James Green, promovem encontros e pauta de discussões sobre o tema da democracia no Brasil. A ideia é explicar o que levou o país à crise política e o agravamento da crise econômica que colocou o país em recessão nos últimos dois anos.

Dilma também se encontrará com grupos e personalidades dos movimentos sociais, como a filósofa feminista Nancy Fraser (The New School), que denunciou o impeachment sem crime de responsabilidade nos Estados Unidos. Ela tem criticado a agenda neoliberal do governo Temer, que havia sido paralisada desde a eleição de Lula em 2003, e aprofundou a crise.

Dilma deve reiterar suas críticas ao governo Temer, que considera ilegítimo e representa um retrocesso na agenda de redução das desigualdades. No périplo pelos Estados Unidos, Dilma visita as Universidades de Columbia e New School, em Nova York, e mais Princeton.

Em Providence, a presidenta deposta visita a Universidade de Brown, que compõe hoje um dos centros de ebulição de ideias para mudanças sociais.  Em 18 de abril, Dilma participa de debate na Universidade George Washington e se reúne na American University, uma antiga instituição criada para acolher com educação os negros no processo pós revolução americana do final do século 18. Ela retorna a Boston para a Conferência sobre a América Latina e faz palestra na Universidade de Howard.

Via Blog do Alvorada