Conjunto de parlamentares protocolam pedido de afastamento de Temer na PGR

Uma ação protocolada hoje (08) na Procuradoria Geral da República por um conjunto de parlamentares pede a suspensão da função de presidente interino de Michel Temer. A alegação é que o pmdebista precisa ser afastado para que não fique imune às investigações futuras, como o recebimento de dinheiro “vivo” oriundo de caixa dois.

“Ele usou uma estrutura pública, pegou 10 milhões – segundo a delação -, em dinheiro vivo e distribuiu para Paulo Skaff e Eliseu Padilha”, disse a deputada federal Jandira Feghali.

Além da deputada fluminense, vários parlamentares assinaram a ação, dentre eles, os deputados Henrique Fontoura (PT-RS) e Maria do Rosário (PT-RS), os senadores Lindberg Farias (PT-RJ), Fatima Bezerra do (PT-RN), Randolfe Rodrigues (REDE-AP) e Vanessa Grazziotin (PC do B-AM).

“Essa última delação, também escancara, de vez, a pressa, o açodamento com que eles querem abreviar o calendário de votação do impeachment”, disse Fátima Bezerra.

“É importante que se entenda que existe a Imunidade Processual, que só o presidente da república tem. Se Michel Temer conquistar essa imunidade, será um blindagem total, e todas as investigações sobre todas as delações que envolvem Michel Temer serão paralisadas, porque ele não poderá ser investigado por mais nada do que ocorreu antes dele se tornar presidente da república”, disse Henrique Fontana.

Os autores da ação ainda convocam o povo brasileiro pra sair às ruas amanhã (09), quando estão previstos atos contra o impeachment e o interino Michel Temer.